Teu Sonho Logo

Sonhos Recentes contém Sangue

Menu botão

Os Sonhos Mais Vistos

Coleção De Sonhos - Busca Sonhos

Sonhos no banco de dados cadastrados para serem analisados ​​e interpretados - pesquise sonhos contendo os símbolos do seu sonho


Bom, eu havia ido vizitar uma cidade

Bom, eu havia ido vizitar uma cidade pequena do interior, peguei estrada, o percurso era até longe, chegando lá, fui em uma igreja da cidade, e eu nao demorei muito até que sai daquela cidade e estava voltando para minha casa que fica na capital, quando eu percebi eu havia deixado minha sacola com meu celular, minha carteira tudo la naquela igreja, e na rodoviaria daquela cidade do interior aonde eu estava prestes a pegar o onibus que me levaria para a capital, passa correndo um homem, com uma carteira em mãos identica a minha, entao eu o abordei, e entrei no mesmo onibus que ele e comecei a gritar para que todos vissem que ele era o ladrão, até que nesse percurso o motorista não parou em nenhum momento, e todos no onibus só me observava mas ninguem me ajudava nem falava comigo, eu peguei uma faca que estava no meu bolso e esfaquiei aquele homem que roubou minha carteira, cortei ele em pedaços bem em pedaços e todos me olhando, quando eu tava todo cheio de sangue, o motorista para em frente de um posto da policia e me diz que eu teria que descer, eu com muito medo, disse por que, ele me disse que é o certo que eu desça, então pequei o corpo que eu havia cortado em pedaços e coloquei em uma sacola e levei lá no posto da policia, chorando cheguei na policial que era uma mulher e ela falou oque eu queria, eu disse que gostaria de um atendimento com ela, mas eu estava chorando muito muito mesmo, ai eu disse para ela que se eu contasse oque eu fiz isso prejuducaria todo meu futuro pois sou jovem de mais, perderia meu futuro, por esse erro que cometi. depois acordei.

Sonhei matando meu ex marido enforcado e

Sonhei matando meu ex marido enforcado e coloquei ele dentro do guarda-roupa em seguida meus sogros chegam com um bebê loiro cheio de sangue no quarto e entrega pra mim, enquanto meus ex sogros levam meu ex para o hospital eu dou banho no bebê e visto ele com uma roupa azul.

Eu sonhei que tinha umas largatas me

Eu sonhei que tinha umas largatas me seguindo e elas estavam sangrando aí eu estava correndo delas e elas eram enormes aí eu estava toda suja de sangue estava sentindo dor e muito desesperada queria acorda aí eu estava tentando acordar no sonho aí quando eu queria acorda é como eu estivesse afogando sabe aí quando eu abria o olho no sonho eu estava sangrando. Aí depois eu passei perto de duas primas minhas vendo eu suja de sangue e machucada elas não fizeram nada aí nessa hora no sonho eu estava tentando acordar de novo e acordei cega denovo. Aí depois eu falei comigo no sonho que eu tinha que pular em um rio para acordar aí eu pulei do rio com o meu celular aí eu estava conversando com o Wrias meu amigo parar ele me ajuda a sair do rio

Sonhei que fui a um show com

Sonhei que fui a um show com meu padrasto e mãe, lá nós curtimos, encontrei alguns amigos, eu lembro de ter passado um tempo com uns adolescentes da mesma idade que eu, mas não conhecia todos, nós (eu, minha mãe, meu padrasto e umas pessoas que estavam com a gente) ficamos em uma casa provisória, já que o show era em outra cidade. Eu e minha mãe fomos sair, estávamos conversando algo relacionado a morte e depressão, e então chegou uma mulher e perguntou para mim "você quer morrer?" E eu disse "Não! Eu não quero morrer!", e então ela olhou assustadoramente para minha mãe e sorriu, tirou uma faca do bolso dela e ia machucar a minha mãe, só que eu fui antes e empurrei ela, depois todos começaram a gritar na rua porque tinha uma mulher com uma faca na mão. Depois disso cortou para uma cena onde eu e os adolescentes da minha idade estávamos na casa de repouso, e então entrou alguém na casa e estávamos sozinhos, e esse alguém era um homem sinistro, muito assustador, ele veio para cima da gente com uma lança muito afiada, e atingiu o garoto que estava com a gente, ele tirou o olho do menino, eu lembro de ver o olho no chão e muito sangue, depois disso começamos a correr, saímos da casa e todo mundo (minha mãe, meu padrasto e as outras pessoas que estavam conosco) também estavam correndo com a gente, entramos na van que meu padrasto tinha e saímos dali, eu lembro de olhar para a janela e ver várias casas, o clima úmido, e estava de noite, eu vi uma igreja e comecei a chorar e a orar desesperadamente porque estava sentindo que todos nós íamos morrer. Nós fomos para um lugar, como se fosse uma fazendo, mas nessa fazendo tinha uma igreja enorme e de área aberta, minha mãe disse que eu poderia orar naquela igreja e então saímos da van, todo mundo saiu achando te estávamos seguros, mas não, aquele ser assustador tinha voltado, todos nós fomos para a igreja e ficamos todos juntos, como se fossemos enfrenta-lo, ele veio ainda com a lança na mão, eu não conseguia ver o rosto dele, mas assim que o olhei, eu chorei desesperadamente, eu caí no chão e chorei, parecia que eu estava tendo uma crise, e o pior era que ele estava olhando para mim, enquanto eu chorava e me contorcia, parecia que ele estava fazendo isso, enquanto ele se aproximava, meu padrasto avançou em cima mas ele o atacou, e então esperamos ele dar o segundo passo, todo mundo ali sabia que iam morrer, e foi assim que meu sonho acabou.

Eu estava em uma espécie de lugar

Eu estava em uma espécie de lugar falso, era enorme, cheio de construções grandes e espaçosas e tinham alguns eventos culturais acontecendo por ali, uns de uma cultura tradicional meio holandesa eu acho, e outros de cultura tradicional asiática. O lugar em si parecia muito real, cheio de complexos comerciais/culturais com uma grande rua entre eles para as pessoas poderem andar e tudo mais, mas na minha cabeça eu sabia que era falso, e todos que estavam lá eram igualmente falsos, e eu os chamava de TOMs(se lê como "tuns"), tinham aqueles que pareciam pessoas normais, aqueles que estavam vestidos a caráter e fazendo aqueles eventos culturais (que envolvia roupas tradicionais, música no ambiente em que estavam (que era pela rua toda), tinha culinária e alguns rituais culturais(tipo, não era difícil achar os asiáticos com alguns lugares servindo chá no estilo tradicional)), e tinham alguns mais estranhos com fantasias de animais e uns caracterizados como médicos. E também, tinha um rio mais pro final da rua. Os TOMs, foram criados com a finalidade de me ajudar em algo, assim como todo o lugar. As construções se focavam na cor branca e cinza claro por fora, tinha uma ou outra de madeira avermelhada, mas era desbotado, tudo por lá era muito colorido, as vestes festivas, alguma decoração aqui e ali, o interior dos prédios, mas era tudo desbotado, até o céu era um azul desbotado. A única coisa que tinha mais vida e intensidade nas cores, era eu mesma, e ninguém mais por lá se vestia como eu. Eu usava roupas pretas, um preto bem escuro e forte, um coturno, calça meio larga, pra dentro do coturno, camisa preta e uma blusa grande por cima, também preta, com as mangas remangadas, e eu tava com o cabelo solto, que tinha um tom bem vivo de vermelho, minhas cores eram mais vivas do que qualquer outra cor por lá. Eu estava andando na rua, aparentemente eu tinha um lugar específico pra ir, eu fui andando pela rua e passando pelo pessoal comemorando ou apenas andando, até que eu cheguei perto do lugar que eu tinha que ir, um lugar um pouco mais afastado, tinha gente ainda, mas menos do que mais pra frente, e da onde eu tava dava pra ver o rio, aí quando eu olho pro rio, do outro lado dele eu vejo duas daquelas pessoas vestidas de animais, um, um guaxinim, e o outro eu não me lembro mas tenho quase certeza que tinha pelagem branca (e acho que tinha uma terceira pessoa também de guaxinim, que tinha o tamanho de uma criança). Eu não lembro direito o que aconteceu, mas um deles foi atingido por um deles e de alguma forma e caiu no rio, acho que foi o guaxinim menor que foi atingido pelo maior com dois socos, aparentemente desmaiou e caiu no rio, e o guaxinim maior ficou meio que brincando com o corpo, tirando ele da água, mechendo no ar, colocando na água de novo e por fim o jogou sobre seu ombro e saiu com o outro animal. Eu fiquei assustada com isso, a única coisa com uma sensação de perigo por ali, uma sensação pesada no meio da alegria das comemorações culturais e tudo mais. Eu tive a impressão de que me meteria em sérios problemas se falasse alguma coisa e revelasse que eu vi aquilo. Então, eu apenas entrei aonde tinha que entrar, passando por uma comemoração cultural asiática. O lugar era meio estranho...era uma espécie de complexo médico mas também uma casa, eu tava lá pra ver uma garota que morava lá, e aparentemente a gente estava namorando ou quase namorando. Ela era mais alta que eu (o que não é difícil já que eu no sonho era como eu na realidade ), cabelos curtos, tinha um corpo belo, pele clara e um sorriso gentil e belo, as roupas dela eram justas, e tinham tons mais suaves e claros, e tenho quase certeza que o nome dela era Penny. A gente passou por um consultório, depois por uma sala enorme e depois fomos para o quarto dela, no meio disso a gente tava tendo todo um diálogo meloso e cheio de cantadas que casais tem e essas coisas. Chegando lá, tinha mais uma garota, que se referia a si mesma como um garoto, era mais alta e mais magra, cabelos em um estilo masculino, ondulados, roupas largas em tons de verde musgo para a camisa e um marrom claro pra calça. Aparentemente essa garota é ex da minha namorada, e atualmente elas estão fazendo aquela brincadeira de escola de família, de chamar de mãe, filha, e por ai vai...elas não se chamavam dessa forma realmente, mas elas estavam nessa brincadeira, porque essa menina magra soltou uma frase assim: "Deve ser estranho saber que a seu neto é o ex da sua mulher" (ou seja, ainda tinha mais uma pessoa nesse meio sendo mãe dela e filha da minha namorada, mas essa pessoa eu não conheci). Bom, nesse meio tempo, Penny saiu do quarto, e a outra garota ficou falando um monte de coisas sobre ela, tipo, como ela ficaria bem vestida de professora, ou com grandes botas, no geral, tava na cara que ela ainda era afim ds Penny. Enquanto isso eu tava explorando a casa, ja que aparentemente era a minha primeira vez lá, e eu só estava concordando com o que ela dizia (kskskks), e as vezes complementando com algumas coisas (no geral só não me importava com o que ela tava falando e entrava na dela, sem deixar ela me irritar por ela estar falando daquela forma sobre a minha namorada ). Um tempo depois Penny voltou e a outra garota continuou falando algumas coisas, mas a Penny não levava nenhuma das coisas na maldade, só aceitava os elogios e no geral a atenção dela era pra mim. Eu ainda tava explorando o quarto, abrindo gavetas (não lembro de nada que vi nelas infelizmente ), e depois fui pra sala explorar também, lá tinha uma grande estante com coisas do pai dela, tipo, bebidas, a garota magra tinha me seguido na minha exploração, e nesse momento eu virei pra ela e falei toda animada "Caramba!! Tem Jack Daniel's??" e ela bem séria só falou "Não, só destilados."(na realidade, "destilados" se aplica a whisky e essas coisas, mas no sonho aparentemente tinha haver com uma única bebida de laranja) e daí eu olhei para as garrafas e só achei uma garrafa grande com um líquido transparente e algumas imagens de laranjas no rótulo junto com umas escritas com o nome da bebida e tudo mais. Eu fiquei meio desanimada e pensei que o pai dela era um cara sem graça (kskkskks), mas daí lá no fundo eu vi uma garrafa de Jhon Walker e pensei "Pelo menos o Jhon Walker salva...". Depois disso, encerrei minha exploração e voltamos pro quarto, e Penny pegou do armário e colocou um baita de um coturno preto envernizado com uma plataforma enorme, que era um contraste e tanto com sua paleta de cores mais suave. Ela perguntou como ela estava para a gente, e cara, ficou tão bem nela que eu e a garota ficamos totalmente sem reação. Depois de um tempo a gente conseguiu responder e falamos que ficou muito bom, e depois as três foram dar uma volta pra fora. A gente estava comentando sobre as comemorações asiáticas e tudo mais, até que a gente chegou perto de um estacionamento que estava em frente a uma grande calçada que dava acesso à uma das beiradas do rio, e nessa beirada vimos o guaxinim e o outro animal branco (o guaxinim pequeno não estava mais junto), o guaxinim estava apoiado no da pelagem branca, e eu comentei com as garotas a cena que eu vi antes de encontrar elas, aí as três ficaram assustadas, ainda mais com o fato de que ambos estavam vindo na nossa direção (eles começaram a correr do nada assim que nos viram), aí a gente começou a correr em direção a casa da Penny, e eles nos alcançaram quando a gente estava na porta, a gente entrou e assim que eles alcançaram, o guaxinim voltou a se apoiar no da pelagem branca, e vendo mais de perto, o guaxinim estava com duas manchas de sangue na roupa, uma no peito e outra um pouco abaixo e pro lado, na costela esquerda, eles passaram por nós e entraram na porta de vidro do consultório que a gente passava antes de entrar na sala da casa da Penny, e lá tinha um homem de jaleco branco, aparentemente um médico e aparentemente, o pai da Penny. Os homens tiraram as fantasias e revelaram que por baixo tinham uma roupa de policial. O que usava a pelagem branca estava com um colete a prova de balas e tinha uma arma com munição, e o guaxinim estava sem colete e sem arma, e bom, sangrando. Eu e as duas garotas ficaram olhando de fora da porta de vidro, e veio o seguinte diálogo: Pai da Penny: e então...como isso foi acontecer? Pelagem branca: sabe como é né...eu meio que atirei nele sem querer. O da pelagem branca ri despreocupado, como se isso fosse uma piada, e enquanto isso o guaxinim está com as mãos sobre os buracos de bala, com dor. Pelagem branca:Pode ajudar o meu amigo, doutor? Pai da Penny: vou fazer o que posso... Tanto o pai da Penny, eu e as meninas, percebemos que o da pelagem branca estava completamente fora de si, e baixou um clima muito tenso, já que ele poderia matar todos ali a qualquer momento, o único que não parecia nada preocupado com isso era o guaxinim, que exceto pela dor, estava completamente sério e tranquilo (ele parecia sério e tranquilo até de mais). O pai da Penny pediu para o guaxinim se aproximar, os dois foram pra perto de uma estante e o pai da Penny começou a ver o que poderia fazer sobre a situação do guaxinim, e enquanto isso o da pelagem branca encarava os dois profundamente com um sorriso tranquilo no rosto. Como a situação poderia escalonar, eu decidi fazer alguma coisa sobre o pelagem branca, me aproximei de fininho já que ele estava focado no guaxinim, e peguei e arma dele que estava em um coldre na sua cintura, ele não percebeu, e então eu voltei para as meninas. Comecei a manusear a arma com cuidado pra não atirar sem querer, já que ela estava engatilhada, e todo mundo padecia mais tranquila já que ele estava sem arma. Menos o guaxinim, que quando me viu com a arma na mão arregalou o olhar com uma expressão de raiva e estava pronto para alertar o da pelagem branca, e então, eu acordei.

No meu sonho era a noite, e

No meu sonho era a noite, e a sogra do meu pai liga e informa que meu namorado foi estacionar o carro para o vizinho e a perna travou e ele desceu até o final da rua, causando uma colisão onde atingiu a cabeça toda cheia de sangue e morreu. Eu comeco a chorar não acreditando. Porém em seguida meu pai me leva para o hospital com a esposa dele e no caminho ele sai batendo o carro e eu falo pra ele parar de fazer isso. no hospital eu chego e falo, ele queria um filho, ele acorda e fica com sequelas de a barriga cheia de pele e cicatrizes nas costas e começa a conversar normalmente e acordei

Esses dias pedi para o mundo espiritual

Esses dias pedi para o mundo espiritual me dá uma sinal, passando 2 dias tive um sonho difícil de entender: eu estava entrando em uma espécie de vila ou bairro, onde tudo era relacionado a umbanda/candomblé. Ao entre observei diversas com velas acesas e pessoas fazendo macumba dentro delas, quis sair do lugar porém ao me deparar com as saídas tinham crânios escuros no meio das portas e uma moça disse que eu não poderia passar por essas saídas bloqueadas. Ao lado de uma tinha uma garota que tinha acabado de bloquear uma saída com crânio, ela me disse que passar passar eu teria que oferecer uma oferenda mínima de 8reas porém não tinha o valor e deixei meus anéis e cordões como oferenda , ao passar e finalmente chegar a saída tinha mais um crânio, porém não tinha mas nada a oferecer, resolver passar mesmo assim é quando eu atravessei duas moças me seguraram e com uma faca cortaram a palma das minhas mão onde escorei sangue, entre de volta ao lugar é incorporei uma imagem semelhante a Jesus Cristo com os braços abertos e as mão sangrando, ao lado avistei uma saída e consegui sair do lugar porém tinha passado muito tempo.

Tudo começou com eu e meu marido

Tudo começou com eu e meu marido bebendo no centro da cidade minha filha estava com meus pais em minha cidade natal . Deu uma certa hora que um dos dois queria ir embora o outro não e foi aí que fomos para a casa de algum parente do meu marido nessa casa estava tendo uma festa da família dele e qdo chegamos alguns me receberam bem outros não pois não gostavam de mim . Minha cunhada mulher do irmão do meu marido estava na festa tbm e começou a falar mal de mim e a reclamar de mim discursos e todos ficaram ao lado dela foi aí que ela veio pra cima de mim e eu a empurrei e toquei o chinelo nas costas dela fazendo a cair e todos novamente ficaram do lado dela voltei para perto de meu marido e fui buscar acho que uma bebida para ele qdo retornei o irmão dele estava falando mal de mim para ele e ele me defendeu falando que qdo ele precisa sou eu que estou ao lado dele . Fiquei feliz estávamos nos fundos da casa qdo um leão e uma pantera negra veio em nossa direção para nós atacar eu fui uma das primeiras a correr pois nessa casa tinha muitas crianças e acabei entrando no quarto delas e trancando a porta com elas lá dentro para salvar ela e eu fechei a janela e ficamos lá com medo e trancadas enquanto meu marido foi mais os primos e a família dele para outro cômodo e tbm se trancaram meu marido perguntava se eu estava bem eu falava que estava com medo foi aí que a pantera negra entrou na casa e começou a tentar a entrar no quarto que eu estava com as crianças aí uma menina que tinha ficado pra fora do quarto estava do lado da pantera e falou que agora podia trocar uma vida pela outra e começou a abrir a porta do quarto e eu segurando mais a porta estava quebrada em baixo e a menina conseguiu pegar meu pé e dar pra pantera que começou a comer meu pé muito sangue saia eu coloquei a mão na boca da pantera pra tirar meu pé e ela começou a mastigar meu pé e minha mão junto foi ai que puxei a menina e dei na boca da pantera que pegou ela e a levou e me deixou . Peguei as crianças para se esconder no guarda roupa e me escondi tbm no guarda roupa saia muito sangue e fui ficando fraca até que acordei com muito medo .

Sonhei que estava indo para a casa

Sonhei que estava indo para a casa de uma amiga, pois meu namorado precisava ir para resolver algumas coisas para ela, já que é também advogado dela. Chegando lá, percebemos que estava acontecendo uma festa, da qual não fomos convidados. Porém, por educação a nossa amiga nos chamou para ficar. Eu sai um pouco de perto do meu namorado, e quando voltei ele estava conversando com uma mulher negra que tinha 3 filhos e ele conversava com ela na intensão de conseguir mais serviço como advogado. Eu chamei ele para dizer que deveríamos ir embora, já que a Ana só chamou para ficarmos por educação. Na hora que interrompi a conversa doles para tentar falar isso, ele ficou muito estressado. Gritou e me xingou tanto que tive medo dele. Depois disso, fomos para casa de moto. No caminho, alguém atropelou um gato branco e estranho na nossa frente, que ficou muito ferido. Na mesma hora eu tive a intensão de pegar o animal para cuidar, mas meu namorado me olhou tão bravo que não tive coragem de pega-lo. Por sorte, o moço que atropelou o gato estava disposto a levar o animal e cuidar dele. Com isso, resolvemos continuar nosso caminho para casa, e eu tive ideia de ir carregando meu namorado na garupa enquanto eu dirigia a moto, porém a moto ficou pesada de mais para mim e caímos, fazendo com que ele tivesse que voltar a nos carregar. Quando voltamos para casa, eu fui para o estágio, porém não era no mesmo local que já faço, era um lugar novo que eu havia começado a fazer estágio. Por algum motivo, o lugar parecia escuro e amedrontador. Na hora de sair do estágio, vi o homem que havia atropelado o gato na mesma rua em que o animal havia sido atropelado. O gato ainda estava com a sua patinha torta porém se encontrava com pontos nas costas. O homem estava dando um remédio para ele. Eu fiz carinho no gato antes de seguir para casa. Em casa, me sentei em uma mesa e comecei a me sentir mal. Quando olhei para baixo, tinha um buraco pequeno em minha barriga. Desse buraco, saia um pedacinho do meu intestino para fora. Comecei a gritar minha mãe, mas como tenho vergonha de gritar, o grito saiu baixo. Mesmo ela tendo ouvido, ficou dizendo que já ia, que só ia terminei o serviço, enquanto isso eu gritava para ela vir, porém ela demorou achando que era bobagem. Quando ela enfim veio, viu o meu intestino que agora tinha saído muito mais e resolveu me levar na médico. Nessa hora, já não era mais um pedacinho apenas do intestino, mas uma parte grande. E quanto mais tempo minha mãe e meu pai demoravam para arrumar nossas coisas para ir no hospital, mais meus órgãos iam para fora. A ponto de até mesmo o pulmão direito ficar para fora. Me lembro de dizer que não conseguia ir para o carro e deviam chamar uma ambulância. No tempo que meu pai chamou e a ambulância começou vir, muito sangue saiu da minha boca. Nessa hora, eu e meus pais nos desesperamos pela certeza de que eu não aguentaria. Já na maca da ambulancia, comecei a dizer, principalmente para minha mãe, que destratava dizer aquilo, mas que, se caso acontecesse algo comigo, nao queria que ninguém ficasse o resto da vida triste, queria que fosse capaz de seguir em frente e ser feliz. Enquanto minha mãe falava que não conseguiria, pois era muito para ela aguentar, eu acordei .