Teu Sonho Logo

Sonhos Recentes contém camisa

Menu botão

Os Sonhos Mais Vistos

Coleção De Sonhos - Busca Sonhos

Sonhos no banco de dados cadastrados para serem analisados ​​e interpretados - pesquise sonhos contendo os símbolos do seu sonho


Primeiramente eu sonhei que estava grávida, com

Primeiramente eu sonhei que estava grávida, com um teste positivo na mão e eu sou virgem , por exatamente esse detalhe no sonho eu ria disso pois não fazia sentido mas estava grávida, logo após isso o cenário muda e eu estou na varanda da minha casa e tem algumas pessoas na rua de baixo , uma delas incluí minha mãe, a gente tava rindo do povo do bar de baixo mas eu estava na varanda em cima apenas observando quando do nada sinto um toque , algo puxando minha camisa na região das Costas e no mesmo minuto meu corpo todo estremece de medo , minha mãe na rua olha pra mim e diz "eu vi asas" aí eu digo "é sério " e fico em choque , e aí ela diz "espero que o anjo esteja bem " e aí eu acordei na hora ..

   NO SONHO EU VI MEU IRMÃO

   NO SONHO EU VI MEU IRMÃO QUE JÁ MORREU NA CENA DO SONHO VI QUE ELE ESTAVA VESTIDO COM A MINHA CAMISA DE COR VERDE  NO SONHO ELE TIRAVA A CAMISA VERDE  E EU VI A CAMISA SUJA. NO SONHO DIZIA QUE MEU IRMÃO ISRAEL TAMBÉM TINHA VESTIDO ESSA MESMA CAMISA NA OUTRA CENA DO SONHO EU IA PEGAR A CAMISA QUE ESTAVA NA GAVETA DO GUARDA ROUPA MAS A MINHA IRMÃ DAYANE NÃO DEIXOU EU PEGAR A CAMISA DE COR VERDE EM OUTRA CENA DO SONHO EU ESTAVA INDO PARA LUGAR E EU VI NESSA CENA QUE ERA MATO E EU IA ANDANDO PELO CAMINHO E EU SENTIA MEDO AO ESTÁ NAQUELA CENA E DE REPENTE VINHA UNS CACHORROS ATRÁS DE MIM NESTA CENA DO MATO E DOS CACHORROS EU  PARA SE DEFENDER DO MEDO EU FALAVA DO SALMOS 91  EM EU CONSEGUIR VENCER O MEDO QUE EU TINHA DE ESTAR NO MATO AO CHEGAR EM OUTRO LUGAR AINDA OS CACHORROS ME ACONPANHAVA QUERENDO ME MORDER .

Em um quanto um pouco longe da

Em um quanto um pouco longe da minha casa, a paisagem era de muito mato alto, estava a anoitecer. Meu irmão e eu saíamos de uma casa com o nosso cachorro, ele está um pouco doente mais andava normal naquele momento. Estávamos lá porque meu irmão estava consertando algo do cachorro. Nesse caminho para casa, a movimentação de automóveis era nula, mas depois que casas começaram a surgir, nosso cachorro ficou para trás. Eu fiquei preocupada dele nao encontrar o caminho para nossa casa, mas meu irmão parecia não se preocupar com isso. Durante todo o trajeto estavamos em silêncio, ate eu perceber que ele estava mancando e perguntar o porquê. Ele respondeu que foi com o máquina se soldar. Ficamos em silêncio novamente, e mais para frente começaram a surgir automóveis, e eu estava com medo deles por eu não estar do lado certo da rua. Andávamos e eu era a única a ficar entre os carros e motos, eu ficava encurralada pelos automóveis que estavam saindo da minha antiga escola. Enquanto isso meu irmão andava na frente. Quando consegui sair do meio dos automóveis, procurei meu irmão, mas não o encontrei. Continuei andando pela frente da fachada da escola, comecei a perceber que as pessoas que estavam lá eram pessoas da minha escola atual, vi um amigo muito especial entre as pessoas, mas o ignorei, e saí a procura do meu irmão, tentando me esconder do meu amigo. Enquanto passava por trás das suas costas a cerca de um metro de distância, ele me percebe e do nada surge em minha frente tentando me dar um selinho, tenho desviar. Ele fala comigo e eu olho para trás a procura do meu irmão; que até um momento atrás eu havia o confundido com um menino que andava com uma "amiga" minha mais a frente, e eu estranhei e havia ficado com ciúmes. Olhando para trás o encontrei, ele olhava para mim também, falo para meu amigo "meu irmão está aqui", e ele olha a procura rapidamente e ignorando minha fala, se ajoelha em minha frente, estavamos no meio da rua e com várias pessoas ao redor, acho fofo, mas penso "não havia outro momento para isso?". Penso que meu irmão está vendo aquilo e não gosto, mas ignoro tal pensamento, e foco no rapaz ajoelhado minha frente falando "bora namorar comigo?" Minha mente está pensamento várias coisas, falo "você quer ir no bora né, então bora" e solto um "eu aceito", que sai com dificuldade e descompleto, consegui e não consegui responder. Acordo no susto. Em um outro sonho, eu estava com meu irmão a noite, e fugiamos. Parecendo filme de ação, pulavamos muros e corríamos, quando entramos em nossa casa achando estar seguros (não vi minha mãe, mas minha falecida avó estava assistindo televisão), olhávamos tudo e a porta da sala estava aberta, passou dois caras de moto, o de trás que estava com camisa amarela era o único que eu conhecia, quando olhou para tras, me viu. Rapidamente falei para meu irmão, e ele chateado por isso, falou "temos que sair daqui". Corremos para o quintal, enquanto ouvíamos o barulho ao redor da casa de pessoas. Quando íamos pular o muro havia uma pessoa dentro de um buraco nos esperando, recuamos e íamos olhar o outro muro quando passou um caminhão com homens em pé, em frente a nossa casa, meu irmão mandou eu me esconder, mas um deles me viu. Mas algumas cenas aconteceram, estávamos escuralados dentro do quintal, resolvemos ficar na biqueira, quando do nada, meu irmão virou um cara coreano, que agr era meu namorado. Eu também fiquei com aparência asiática. Na biqueira da minha casa, tinha um homem junto de nós, ele se aproximou e meu namorado fez um acordo com ele e com os demais, pra da uma chance de nos sair sem ser injusto já que estávamos cercados. O homem aceitou, e tínhamos que pular o muro, depois de muitas tentativas minhas e dele, eu desisti de ficar naquela parte que o muro era mais alto, e fui para a parte mais baixa, tentei e consegui pular, mas ainda havia mas quatro muros para pular eles eram próximos um do outro e de alturas diferentes. Do nada começaram a surgir pessoas da minha atual escola, pessoas que eu falo ou já falei, elas pareciam estar ali, só pela diversão. Eu estava destemida em conseguir sair dali, com uma até certa facilidade consegui pular os muros, mas no último eu fiquei em cima dele, porque se eu ficasse no chão ia contar, e os caras iam começar a me seguir, fiquei ali esperando meu namorado pular o restante dos muros, ele só havia pulado um por enquanto. Com certa dificuldade ele foi pulando um em um. Enquanto isso eu pensava em formas de conseguimos escapar e nos esconder. Era difícil pq tinha muitos homens a nosso redor. Último muro ele desceu, eu desci, e começou a contar os segundos, eu saí em disparada em direção a grade/portão, pulei, e senti ele atrás de mim, sempre olhando pra frente pensamento em qual caminho melhor seguir, mas também pensando que os caras deviam estar logo atrás de nós, tive a impressão de que logo surgiria um carro em nossa frente e estaríamos encurralados.

No meu sonho eu estava voltando de

No meu sonho eu estava voltando de uma festa com meus amigos mas eles estavam voltando a pé enquanto eu voltava de moto e eu ria deles, todos eles estavam de camisa vermelha como eu, enquanto eu dirijo percebo que minha moto está passando por cacos de vidro então eu começo a desacelerar e é aí que escuto meus amigos gritando sobre minha mãe dizendo que ela estava no hospital, então começo a dirigir até lá eai acordei

Sonhei que fui convidado a um encontro

Sonhei que fui convidado a um encontro com alguns colegas que estudaram comigo. A maioria eu não tive muita interação e dois deles eram garotas que já fui muito próximo, uma era uma garota que não ligava muito pra mim mas ficamos próximos e outra era uma ex amiga do qual brigamos por sermos prejudiciais um ao outro mesmo um amando o outro, e as vezes até demais. Quem me convidou era um antigo colega de faculdade que é muito otimista, embora não fosse meu amigo ele fez questão de eu estar presente no encontro. Tinha uma garota que também não foi minha amiga mas sempre foi gentil ao falar comigo. Andamos pelo arredores do Teatro Amazonas e começa a ficar um clima de chuva intensa e venta muito. Eu rápida peço para meu colega ir na frente e peço para a garota gentil que ela ande atrás dele segurando a mão dele e então todos entendem meu plano e quem segura minha mão era a garota que eu estava brigado. Seguimos assim até ficar em embaixo da avenida numa praça nova esperando o temporal passar. Encontramos uma lanchonete e começou uma briga perigosa entre gays e lésbicas e então deixei de grana no balcão e disse a todos para irmos embora. No tempo que andamos os outros falavam sobre a vida enquanto não se falavam e então quando subimos as escadas, a garota que estava brigada comigo segura meu braço repentinamente e estranhamente sinto a maciez de sua pele e ela parecia estar com frio. Quando olho pra ela, ela está vestida com uma macacaquinha branca simples, tal branco lembrava uma noiva e minhas, e eu estava com uma camisa, uma jaqueta e calça jeans preta, típico de metálico, e tal preto lembrava um noivo e meu colega me olhava e parecia dizer com os olhos "admitam logo que vocês querem se amar, todo mundo já sabe" . A garota continuou segurando meu braço como uma namorada confiando sua segurança em seu homem e estava cabisbaixa, e pergunto a ela "fiz tanta falta assim mesmo dizendo coisas terríveis?" E ela respondeu "você ainda faz muita falta..." sussurrando no meu ouvido. Apesar de ter acordado ao ouvir a resposta dela, senti seu hálito, sua tempestade, a maciez da pele, parecia que ela estava dormindo ao meu lado.

Eu estava em uma espécie de lugar

Eu estava em uma espécie de lugar falso, era enorme, cheio de construções grandes e espaçosas e tinham alguns eventos culturais acontecendo por ali, uns de uma cultura tradicional meio holandesa eu acho, e outros de cultura tradicional asiática. O lugar em si parecia muito real, cheio de complexos comerciais/culturais com uma grande rua entre eles para as pessoas poderem andar e tudo mais, mas na minha cabeça eu sabia que era falso, e todos que estavam lá eram igualmente falsos, e eu os chamava de TOMs(se lê como "tuns"), tinham aqueles que pareciam pessoas normais, aqueles que estavam vestidos a caráter e fazendo aqueles eventos culturais (que envolvia roupas tradicionais, música no ambiente em que estavam (que era pela rua toda), tinha culinária e alguns rituais culturais(tipo, não era difícil achar os asiáticos com alguns lugares servindo chá no estilo tradicional)), e tinham alguns mais estranhos com fantasias de animais e uns caracterizados como médicos. E também, tinha um rio mais pro final da rua. Os TOMs, foram criados com a finalidade de me ajudar em algo, assim como todo o lugar. As construções se focavam na cor branca e cinza claro por fora, tinha uma ou outra de madeira avermelhada, mas era desbotado, tudo por lá era muito colorido, as vestes festivas, alguma decoração aqui e ali, o interior dos prédios, mas era tudo desbotado, até o céu era um azul desbotado. A única coisa que tinha mais vida e intensidade nas cores, era eu mesma, e ninguém mais por lá se vestia como eu. Eu usava roupas pretas, um preto bem escuro e forte, um coturno, calça meio larga, pra dentro do coturno, camisa preta e uma blusa grande por cima, também preta, com as mangas remangadas, e eu tava com o cabelo solto, que tinha um tom bem vivo de vermelho, minhas cores eram mais vivas do que qualquer outra cor por lá. Eu estava andando na rua, aparentemente eu tinha um lugar específico pra ir, eu fui andando pela rua e passando pelo pessoal comemorando ou apenas andando, até que eu cheguei perto do lugar que eu tinha que ir, um lugar um pouco mais afastado, tinha gente ainda, mas menos do que mais pra frente, e da onde eu tava dava pra ver o rio, aí quando eu olho pro rio, do outro lado dele eu vejo duas daquelas pessoas vestidas de animais, um, um guaxinim, e o outro eu não me lembro mas tenho quase certeza que tinha pelagem branca (e acho que tinha uma terceira pessoa também de guaxinim, que tinha o tamanho de uma criança). Eu não lembro direito o que aconteceu, mas um deles foi atingido por um deles e de alguma forma e caiu no rio, acho que foi o guaxinim menor que foi atingido pelo maior com dois socos, aparentemente desmaiou e caiu no rio, e o guaxinim maior ficou meio que brincando com o corpo, tirando ele da água, mechendo no ar, colocando na água de novo e por fim o jogou sobre seu ombro e saiu com o outro animal. Eu fiquei assustada com isso, a única coisa com uma sensação de perigo por ali, uma sensação pesada no meio da alegria das comemorações culturais e tudo mais. Eu tive a impressão de que me meteria em sérios problemas se falasse alguma coisa e revelasse que eu vi aquilo. Então, eu apenas entrei aonde tinha que entrar, passando por uma comemoração cultural asiática. O lugar era meio estranho...era uma espécie de complexo médico mas também uma casa, eu tava lá pra ver uma garota que morava lá, e aparentemente a gente estava namorando ou quase namorando. Ela era mais alta que eu (o que não é difícil já que eu no sonho era como eu na realidade ), cabelos curtos, tinha um corpo belo, pele clara e um sorriso gentil e belo, as roupas dela eram justas, e tinham tons mais suaves e claros, e tenho quase certeza que o nome dela era Penny. A gente passou por um consultório, depois por uma sala enorme e depois fomos para o quarto dela, no meio disso a gente tava tendo todo um diálogo meloso e cheio de cantadas que casais tem e essas coisas. Chegando lá, tinha mais uma garota, que se referia a si mesma como um garoto, era mais alta e mais magra, cabelos em um estilo masculino, ondulados, roupas largas em tons de verde musgo para a camisa e um marrom claro pra calça. Aparentemente essa garota é ex da minha namorada, e atualmente elas estão fazendo aquela brincadeira de escola de família, de chamar de mãe, filha, e por ai vai...elas não se chamavam dessa forma realmente, mas elas estavam nessa brincadeira, porque essa menina magra soltou uma frase assim: "Deve ser estranho saber que a seu neto é o ex da sua mulher" (ou seja, ainda tinha mais uma pessoa nesse meio sendo mãe dela e filha da minha namorada, mas essa pessoa eu não conheci). Bom, nesse meio tempo, Penny saiu do quarto, e a outra garota ficou falando um monte de coisas sobre ela, tipo, como ela ficaria bem vestida de professora, ou com grandes botas, no geral, tava na cara que ela ainda era afim ds Penny. Enquanto isso eu tava explorando a casa, ja que aparentemente era a minha primeira vez lá, e eu só estava concordando com o que ela dizia (kskskks), e as vezes complementando com algumas coisas (no geral só não me importava com o que ela tava falando e entrava na dela, sem deixar ela me irritar por ela estar falando daquela forma sobre a minha namorada ). Um tempo depois Penny voltou e a outra garota continuou falando algumas coisas, mas a Penny não levava nenhuma das coisas na maldade, só aceitava os elogios e no geral a atenção dela era pra mim. Eu ainda tava explorando o quarto, abrindo gavetas (não lembro de nada que vi nelas infelizmente ), e depois fui pra sala explorar também, lá tinha uma grande estante com coisas do pai dela, tipo, bebidas, a garota magra tinha me seguido na minha exploração, e nesse momento eu virei pra ela e falei toda animada "Caramba!! Tem Jack Daniel's??" e ela bem séria só falou "Não, só destilados."(na realidade, "destilados" se aplica a whisky e essas coisas, mas no sonho aparentemente tinha haver com uma única bebida de laranja) e daí eu olhei para as garrafas e só achei uma garrafa grande com um líquido transparente e algumas imagens de laranjas no rótulo junto com umas escritas com o nome da bebida e tudo mais. Eu fiquei meio desanimada e pensei que o pai dela era um cara sem graça (kskkskks), mas daí lá no fundo eu vi uma garrafa de Jhon Walker e pensei "Pelo menos o Jhon Walker salva...". Depois disso, encerrei minha exploração e voltamos pro quarto, e Penny pegou do armário e colocou um baita de um coturno preto envernizado com uma plataforma enorme, que era um contraste e tanto com sua paleta de cores mais suave. Ela perguntou como ela estava para a gente, e cara, ficou tão bem nela que eu e a garota ficamos totalmente sem reação. Depois de um tempo a gente conseguiu responder e falamos que ficou muito bom, e depois as três foram dar uma volta pra fora. A gente estava comentando sobre as comemorações asiáticas e tudo mais, até que a gente chegou perto de um estacionamento que estava em frente a uma grande calçada que dava acesso à uma das beiradas do rio, e nessa beirada vimos o guaxinim e o outro animal branco (o guaxinim pequeno não estava mais junto), o guaxinim estava apoiado no da pelagem branca, e eu comentei com as garotas a cena que eu vi antes de encontrar elas, aí as três ficaram assustadas, ainda mais com o fato de que ambos estavam vindo na nossa direção (eles começaram a correr do nada assim que nos viram), aí a gente começou a correr em direção a casa da Penny, e eles nos alcançaram quando a gente estava na porta, a gente entrou e assim que eles alcançaram, o guaxinim voltou a se apoiar no da pelagem branca, e vendo mais de perto, o guaxinim estava com duas manchas de sangue na roupa, uma no peito e outra um pouco abaixo e pro lado, na costela esquerda, eles passaram por nós e entraram na porta de vidro do consultório que a gente passava antes de entrar na sala da casa da Penny, e lá tinha um homem de jaleco branco, aparentemente um médico e aparentemente, o pai da Penny. Os homens tiraram as fantasias e revelaram que por baixo tinham uma roupa de policial. O que usava a pelagem branca estava com um colete a prova de balas e tinha uma arma com munição, e o guaxinim estava sem colete e sem arma, e bom, sangrando. Eu e as duas garotas ficaram olhando de fora da porta de vidro, e veio o seguinte diálogo: Pai da Penny: e então...como isso foi acontecer? Pelagem branca: sabe como é né...eu meio que atirei nele sem querer. O da pelagem branca ri despreocupado, como se isso fosse uma piada, e enquanto isso o guaxinim está com as mãos sobre os buracos de bala, com dor. Pelagem branca:Pode ajudar o meu amigo, doutor? Pai da Penny: vou fazer o que posso... Tanto o pai da Penny, eu e as meninas, percebemos que o da pelagem branca estava completamente fora de si, e baixou um clima muito tenso, já que ele poderia matar todos ali a qualquer momento, o único que não parecia nada preocupado com isso era o guaxinim, que exceto pela dor, estava completamente sério e tranquilo (ele parecia sério e tranquilo até de mais). O pai da Penny pediu para o guaxinim se aproximar, os dois foram pra perto de uma estante e o pai da Penny começou a ver o que poderia fazer sobre a situação do guaxinim, e enquanto isso o da pelagem branca encarava os dois profundamente com um sorriso tranquilo no rosto. Como a situação poderia escalonar, eu decidi fazer alguma coisa sobre o pelagem branca, me aproximei de fininho já que ele estava focado no guaxinim, e peguei e arma dele que estava em um coldre na sua cintura, ele não percebeu, e então eu voltei para as meninas. Comecei a manusear a arma com cuidado pra não atirar sem querer, já que ela estava engatilhada, e todo mundo padecia mais tranquila já que ele estava sem arma. Menos o guaxinim, que quando me viu com a arma na mão arregalou o olhar com uma expressão de raiva e estava pronto para alertar o da pelagem branca, e então, eu acordei.

Sonhei que estava em um cemitério e

Sonhei que estava em um cemitério e com baratas enormes rastejando pelo chão e algumas saindo de buracos. Algumas baratas pequenas ficavam dentro da minha roupa e eu tentava tira-las. em dado momento consegui tirar a camisa e diminuir a quantidade que estava no meu corpo. A baratas surgiram após eu entrar em um local que tinha um símbolo semelhante a maçonaria e duas pessoas estavam lá, sendo que uma delas fala que eu tinha direito a duas coisas, uma delas era água dentro de um recipiente semelhante a um copo.

Estava no meu escritório num primeiro andar

Estava no meu escritório num primeiro andar reunido com o meu chefe directo, veio o segurança dizer que há umas pessoas querendo falar comigo, eu recusei os seguranças vieram de novo dizendo que estás pessoas queriam forçar a sua entrada no escritório. O meu chefe zangou-se com a situação e disse-me que ia ter com estas pessoas para impor ordem. Ele saiu e eu olhei para a janela e era uma das empregadas da empresa com toda a sua família, para falarem comigo sobre uma gravidez que diziam que eu era o pai. Eu fiquei aflito porque na parte superior tinha apenas vestida uma camisola interior, vesti a camisa as pressas com medo que eles entrassem no escritório e me apanhassem sem camisa. Por me recusar a sair do escritório eles fizeram uma cerimônia de casamento, que segundo a cultura deles é a cerimônia que se faz quando o noivo está morto. Dançavam e cantavam no estacionamento e um deles apanhou do chão uma miniatura espalmada de um cavalo preto com as patas dianteiras no ar e levantou a miniatura ao ar, meu foco fixou na miniatura.

O sonho começava comigo levando as minhas

O sonho começava comigo levando as minhas amigas da escola para o segundo andar de uma casa que eu tinha alugado, uma dessas amigas tinha crescido e ficado mais atraente por alguma razão. Logo depois, eles foram embora e veio um homem com uma camisa preta junto com uma funcionaria da escola, eu pedia pra fazer sexo com ela e ela recusava, logo depois eu fui embora no carro do homem, e eu conversava com ele de como convencer a mulher de ficar comigo