Teu Sonho Logo

Sonhos Recentes contém forte

Menu botão

Os Sonhos Mais Vistos

Coleção De Sonhos - Busca Sonhos

Sonhos no banco de dados cadastrados para serem analisados ​​e interpretados - pesquise sonhos contendo os símbolos do seu sonho


Eu estava em uma escola onde cada

Eu estava em uma escola onde cada sala de aula era um apartamento e fora do apartamento no lugar da chaves tinha um cachorros que entravam nos apartamentos e faziam coco e eu e outras pessoas limpavam . Depois disso eu fui pra um lugar aparentemente lindo mas ali vivia pessoas ricas perdendo alguns pertences depois disso tinha uma "praia" onde havia uma correnteza muito forte e eu atrevessava a correnteza com meu irmão e depois ele não queria me levar para o outro lado

Sonhei que estava em uma casa no

Sonhei que estava em uma casa no alto de uma rua e veio uma correnteza bem forte, chovia muito e permanecemos nessa casa, era muita água Depois segui de carro com meu ex e tivemos q esperar 3 dias pois tínhamos que nadar em um rio sujo. Chovia muito

Primeiro sonhei que tinha voltado pra escola

Primeiro sonhei que tinha voltado pra escola e tava sofrendo bulling tudo de novo andava sozinha as meninas ficaram longe de mim como se eu tivesse doença contagiosa uma menina veio quando peguei o lanche e jogou no chão o prato caiu com tudo e nessa escola nmg fazia nd fingiam de. cegos era como se fosse uma prisão não podia ligar pra minha mãe ir me buscar aí o segundo eu e as pessoas que. estudaram comigo no militar estávamos em uma igreja não sei que igreja o pastor de cabelo escuro terno gravata n disse nada só chamou umas 5 pessoas e ai foi como se eu. tivesse lá n sei como mais parece que a igreja não estava nem com telhado aí no céu com um vento apareceu um anjo eu vi um anjo de verdade tinha uma luz muito forte rosa com azul como se fossem cristais só que olhando bem de perto era uma coisa muito magra encima de um cavalo negro com uma foice quando fui pegar o celular pra tirar foto n tirava aí alguma coisa veio e estalou o dedo e falou acorde e eu acordei

Sonhei que estava eu e minha família

Sonhei que estava eu e minha família em um barco grande gigante bonito por fora e feio por dentro, estava tudo caindo as pedaços, mas a gente viajava nele e ia para uma cidade pequena, a gente fica lá em uma casa que tava tendo construção com um monte de gente desconhecida, depois eu e a minha avó íamos para um campo um dia tem um show, e chegava um cara alto, forte e da pele bem escura e um pano preto passado no peito e nas costas dele e falava "vc não vai comer toda essa comida né?! me dê aqui" e eu dava a comida a ele, e logo aparecia um monte de pessoas vestidas de preto com arco e flecha. aí as pessoas que estavam atrás de mim, também estavam com arco e flecha. eu e minha avó começamos a escorrer para ir atrás do meu irmão e da minha prima com a mãe dela. logo em seguida a gente ia para outra acampamento, chegando lá a gente viu o que aconteceu na televisão estava acontecendo uma festa com um monte de Venezuelano e a mulher falava na televisão que era um show para Padilha e que só podia entrar mulheres e os homens estavam sendo mortos

Bom o sonho começa na minha casa,

Bom o sonho começa na minha casa, estava eu e minha mãe, nisso chegou minha tia (irma da minha mãe), e ela trouxe uma menina de mais ou menos uns 13 anos, cabelos castanhos, pele bem branca, ela disse que eu e minha mãe precisávamos ficar com ela porque ela havia sequestrado ela, detalhe a menina era cega. após isso ela saiu e a gente ficou com ela, ai eu fui convidada para uma formatura e levei ela junto, ela estava com um vestido vermelho e eu com um azul, aí lá na formatura a gente meio que entrou em um quarto de hotel, e ela pediu para ir ao banheiro, vi que ela estava demorando muito e fui ver o que aconteceu, aí ela disse que estava com muita dor, que aquela mulher (minha tia) tinha machucado ela, ai eu perguntei o que ela fez e ela mostrou a barriga dela toda aberta com os órgão amostra, ela disse que a mulher esfaqueou ela, nisso eu senti uma forte agonia um pressentimento ruim, tirei ela dali e fui para a praça central da minha cidade, já estava anoitecendo, ai essa menina virou uma menina loira de olhos claros e bem nova de mais ou menos uns 5 anos, ai falei com a minha mãe que não deveríamos ficar com ela, porque poderíamos ter problemas porque afinal ela foi sequestrada, falei com a minha mãe para devolvermos ela, e ela disse que poderíamos ir presas e que minha tia tinha pedido para matarmos ela. falei que nao poderiamos fazer isso, minha mãe concordou em escondê la, quando fomos procura-la ela estava dentro de um saco preto de lixo, ai minha tia chegou e eu acordei

Um garoto loiro que aparentava ser um

Um garoto loiro que aparentava ser um ano mais novo que eu ou da mesma idade, jovem e bonito me beijando intensamente de lingua e me pegava em seu colo de forma sensual e apaixonante. Nós dois nos dávamos muito bem e sentíamos uma conexão muito forte enquanto nos beijavamos intensamente em um quarto aq de casa

Sonhei que eu estava indo para a

Sonhei que eu estava indo para a escola e estava tendo uma chuva muito forte, juntando com uma enchente. No caminho eu encontrei um garotinho sem mãe e levei ele comigo. Ele era pequeno, com pele negra, o cabelo quase raspado e eu não sei como, mas eu amava ele e era recíproco. Agarrei ele e abracei muito, tinha um amor e um carinho inexplicável Quando cheguei na escola, peguei nos braços dele e carreguei para o fundo da escola, mas percebi que era muito perigoso. Ent, levei ele para a minha sala e todos receberam ele muito bem. Eu e minha amiga estávamos andando pela escola e tinha muitas pessoas brincando e não estava chovendo. Passamos por um corredor de meninos e um deles estava com um moletom cobrindo toda a cara e com o pé onde eu iria passar. Quando eu passei ele tirou na hora e mesmo não mostrando o rosto eu sabia quem era. Eu e ela voltamos para a sala e o chão estava todo molhado, com isso resolvemos escorregar nele e ela quase caí. Na sala, eu procurava assunto para puxar com Otávio ( o menino que eu gostava) e enviei a minha atividade para ele ( não mora mais na mesma cidade), mas logo apaguei. Ele me ligou e perguntou o que era e eu expliquei que tinha mandando errado, mas mesmo assim ele insistia para que eu mandasse para ele ver. diante disso, ficamos muito próximos

Estava no corredor em direção ao meu

Estava no corredor em direção ao meu quarto, uma mulher de vestes de linho claro me esperava, estendeu a mão e eu a segurei, ela me conduziu ao quarto onde um ser de muito poder estava la, forma humana mas não tinha materia, eu podia sentir a energia forte, conversa era telepática, meu quarto não tinha moveis, apenas muitos beliches nas 4 paredes e pessoas deitadas, a mulher perguntou: voce entende isso? eu disse sim, devo ajudar. ela disse sim. é hora de acordar

Sonhei que tinha aparecido do nada em

Sonhei que tinha aparecido do nada em lugar cheio de corredores, parecia um labirinto bem escuros. Nesses corredores eu ouvia gritos bem altos de sofrimento e raiva, no sonho eu sabia que o que quer que estava fazendo esse som, estava atrás de mim. Eu via vultos de seres altos e brilhantes, ( eles brilhavam como o sol) era uma luz branca muito forte, apesar disso, eu sentia uma energia ruim ao vê-los. Depois de um tempo andando, eu encontrei um deles deitado em uma mesa de metal, ele estava apagado, ( não brilhava mais) estava quase no seu leito de morte. Como eu não estava entendendo o que tava acontecendo, ele de alguma forma me mostrou em visões o que aconteceu, um daqueles seres brilhantes tinha tentado matá-lo e acabou ali naquela mesa, quase morto. Ele queria me ajudar, pq sabia que se alguns daqueles seres me vissem, poderia acontecer algo ruim. Foi aí que ele me ajudou a localizá-los, eu deitei sobre a cabeça dele e segurei a mão dele, naquela hora eu tive a exata visão de onde os seres vagavam, eu vi dois deles vindo em direção onde eu estava e cada vez que eles se aproximavam, eu sentia uma sensação muito ruim. Eles me mostrou que se eu ficasse ali, de cabeça baixa e segurando a mão dele, ele não poderiam me machucar. Um deles passou bem rápido atrás de mim, nessa hora eu senti meu corpo arrepiar tanto no sonho, quanto na vida real, a luz tomou conta dos meus olhos e o sonhou acabou.

Eu estava em uma espécie de lugar

Eu estava em uma espécie de lugar falso, era enorme, cheio de construções grandes e espaçosas e tinham alguns eventos culturais acontecendo por ali, uns de uma cultura tradicional meio holandesa eu acho, e outros de cultura tradicional asiática. O lugar em si parecia muito real, cheio de complexos comerciais/culturais com uma grande rua entre eles para as pessoas poderem andar e tudo mais, mas na minha cabeça eu sabia que era falso, e todos que estavam lá eram igualmente falsos, e eu os chamava de TOMs(se lê como "tuns"), tinham aqueles que pareciam pessoas normais, aqueles que estavam vestidos a caráter e fazendo aqueles eventos culturais (que envolvia roupas tradicionais, música no ambiente em que estavam (que era pela rua toda), tinha culinária e alguns rituais culturais(tipo, não era difícil achar os asiáticos com alguns lugares servindo chá no estilo tradicional)), e tinham alguns mais estranhos com fantasias de animais e uns caracterizados como médicos. E também, tinha um rio mais pro final da rua. Os TOMs, foram criados com a finalidade de me ajudar em algo, assim como todo o lugar. As construções se focavam na cor branca e cinza claro por fora, tinha uma ou outra de madeira avermelhada, mas era desbotado, tudo por lá era muito colorido, as vestes festivas, alguma decoração aqui e ali, o interior dos prédios, mas era tudo desbotado, até o céu era um azul desbotado. A única coisa que tinha mais vida e intensidade nas cores, era eu mesma, e ninguém mais por lá se vestia como eu. Eu usava roupas pretas, um preto bem escuro e forte, um coturno, calça meio larga, pra dentro do coturno, camisa preta e uma blusa grande por cima, também preta, com as mangas remangadas, e eu tava com o cabelo solto, que tinha um tom bem vivo de vermelho, minhas cores eram mais vivas do que qualquer outra cor por lá. Eu estava andando na rua, aparentemente eu tinha um lugar específico pra ir, eu fui andando pela rua e passando pelo pessoal comemorando ou apenas andando, até que eu cheguei perto do lugar que eu tinha que ir, um lugar um pouco mais afastado, tinha gente ainda, mas menos do que mais pra frente, e da onde eu tava dava pra ver o rio, aí quando eu olho pro rio, do outro lado dele eu vejo duas daquelas pessoas vestidas de animais, um, um guaxinim, e o outro eu não me lembro mas tenho quase certeza que tinha pelagem branca (e acho que tinha uma terceira pessoa também de guaxinim, que tinha o tamanho de uma criança). Eu não lembro direito o que aconteceu, mas um deles foi atingido por um deles e de alguma forma e caiu no rio, acho que foi o guaxinim menor que foi atingido pelo maior com dois socos, aparentemente desmaiou e caiu no rio, e o guaxinim maior ficou meio que brincando com o corpo, tirando ele da água, mechendo no ar, colocando na água de novo e por fim o jogou sobre seu ombro e saiu com o outro animal. Eu fiquei assustada com isso, a única coisa com uma sensação de perigo por ali, uma sensação pesada no meio da alegria das comemorações culturais e tudo mais. Eu tive a impressão de que me meteria em sérios problemas se falasse alguma coisa e revelasse que eu vi aquilo. Então, eu apenas entrei aonde tinha que entrar, passando por uma comemoração cultural asiática. O lugar era meio estranho...era uma espécie de complexo médico mas também uma casa, eu tava lá pra ver uma garota que morava lá, e aparentemente a gente estava namorando ou quase namorando. Ela era mais alta que eu (o que não é difícil já que eu no sonho era como eu na realidade ), cabelos curtos, tinha um corpo belo, pele clara e um sorriso gentil e belo, as roupas dela eram justas, e tinham tons mais suaves e claros, e tenho quase certeza que o nome dela era Penny. A gente passou por um consultório, depois por uma sala enorme e depois fomos para o quarto dela, no meio disso a gente tava tendo todo um diálogo meloso e cheio de cantadas que casais tem e essas coisas. Chegando lá, tinha mais uma garota, que se referia a si mesma como um garoto, era mais alta e mais magra, cabelos em um estilo masculino, ondulados, roupas largas em tons de verde musgo para a camisa e um marrom claro pra calça. Aparentemente essa garota é ex da minha namorada, e atualmente elas estão fazendo aquela brincadeira de escola de família, de chamar de mãe, filha, e por ai vai...elas não se chamavam dessa forma realmente, mas elas estavam nessa brincadeira, porque essa menina magra soltou uma frase assim: "Deve ser estranho saber que a seu neto é o ex da sua mulher" (ou seja, ainda tinha mais uma pessoa nesse meio sendo mãe dela e filha da minha namorada, mas essa pessoa eu não conheci). Bom, nesse meio tempo, Penny saiu do quarto, e a outra garota ficou falando um monte de coisas sobre ela, tipo, como ela ficaria bem vestida de professora, ou com grandes botas, no geral, tava na cara que ela ainda era afim ds Penny. Enquanto isso eu tava explorando a casa, ja que aparentemente era a minha primeira vez lá, e eu só estava concordando com o que ela dizia (kskskks), e as vezes complementando com algumas coisas (no geral só não me importava com o que ela tava falando e entrava na dela, sem deixar ela me irritar por ela estar falando daquela forma sobre a minha namorada ). Um tempo depois Penny voltou e a outra garota continuou falando algumas coisas, mas a Penny não levava nenhuma das coisas na maldade, só aceitava os elogios e no geral a atenção dela era pra mim. Eu ainda tava explorando o quarto, abrindo gavetas (não lembro de nada que vi nelas infelizmente ), e depois fui pra sala explorar também, lá tinha uma grande estante com coisas do pai dela, tipo, bebidas, a garota magra tinha me seguido na minha exploração, e nesse momento eu virei pra ela e falei toda animada "Caramba!! Tem Jack Daniel's??" e ela bem séria só falou "Não, só destilados."(na realidade, "destilados" se aplica a whisky e essas coisas, mas no sonho aparentemente tinha haver com uma única bebida de laranja) e daí eu olhei para as garrafas e só achei uma garrafa grande com um líquido transparente e algumas imagens de laranjas no rótulo junto com umas escritas com o nome da bebida e tudo mais. Eu fiquei meio desanimada e pensei que o pai dela era um cara sem graça (kskkskks), mas daí lá no fundo eu vi uma garrafa de Jhon Walker e pensei "Pelo menos o Jhon Walker salva...". Depois disso, encerrei minha exploração e voltamos pro quarto, e Penny pegou do armário e colocou um baita de um coturno preto envernizado com uma plataforma enorme, que era um contraste e tanto com sua paleta de cores mais suave. Ela perguntou como ela estava para a gente, e cara, ficou tão bem nela que eu e a garota ficamos totalmente sem reação. Depois de um tempo a gente conseguiu responder e falamos que ficou muito bom, e depois as três foram dar uma volta pra fora. A gente estava comentando sobre as comemorações asiáticas e tudo mais, até que a gente chegou perto de um estacionamento que estava em frente a uma grande calçada que dava acesso à uma das beiradas do rio, e nessa beirada vimos o guaxinim e o outro animal branco (o guaxinim pequeno não estava mais junto), o guaxinim estava apoiado no da pelagem branca, e eu comentei com as garotas a cena que eu vi antes de encontrar elas, aí as três ficaram assustadas, ainda mais com o fato de que ambos estavam vindo na nossa direção (eles começaram a correr do nada assim que nos viram), aí a gente começou a correr em direção a casa da Penny, e eles nos alcançaram quando a gente estava na porta, a gente entrou e assim que eles alcançaram, o guaxinim voltou a se apoiar no da pelagem branca, e vendo mais de perto, o guaxinim estava com duas manchas de sangue na roupa, uma no peito e outra um pouco abaixo e pro lado, na costela esquerda, eles passaram por nós e entraram na porta de vidro do consultório que a gente passava antes de entrar na sala da casa da Penny, e lá tinha um homem de jaleco branco, aparentemente um médico e aparentemente, o pai da Penny. Os homens tiraram as fantasias e revelaram que por baixo tinham uma roupa de policial. O que usava a pelagem branca estava com um colete a prova de balas e tinha uma arma com munição, e o guaxinim estava sem colete e sem arma, e bom, sangrando. Eu e as duas garotas ficaram olhando de fora da porta de vidro, e veio o seguinte diálogo: Pai da Penny: e então...como isso foi acontecer? Pelagem branca: sabe como é né...eu meio que atirei nele sem querer. O da pelagem branca ri despreocupado, como se isso fosse uma piada, e enquanto isso o guaxinim está com as mãos sobre os buracos de bala, com dor. Pelagem branca:Pode ajudar o meu amigo, doutor? Pai da Penny: vou fazer o que posso... Tanto o pai da Penny, eu e as meninas, percebemos que o da pelagem branca estava completamente fora de si, e baixou um clima muito tenso, já que ele poderia matar todos ali a qualquer momento, o único que não parecia nada preocupado com isso era o guaxinim, que exceto pela dor, estava completamente sério e tranquilo (ele parecia sério e tranquilo até de mais). O pai da Penny pediu para o guaxinim se aproximar, os dois foram pra perto de uma estante e o pai da Penny começou a ver o que poderia fazer sobre a situação do guaxinim, e enquanto isso o da pelagem branca encarava os dois profundamente com um sorriso tranquilo no rosto. Como a situação poderia escalonar, eu decidi fazer alguma coisa sobre o pelagem branca, me aproximei de fininho já que ele estava focado no guaxinim, e peguei e arma dele que estava em um coldre na sua cintura, ele não percebeu, e então eu voltei para as meninas. Comecei a manusear a arma com cuidado pra não atirar sem querer, já que ela estava engatilhada, e todo mundo padecia mais tranquila já que ele estava sem arma. Menos o guaxinim, que quando me viu com a arma na mão arregalou o olhar com uma expressão de raiva e estava pronto para alertar o da pelagem branca, e então, eu acordei.