Teu Sonho Logo

Sonhos Recentes contém Verde

Menu botão

Os Sonhos Mais Vistos

Coleção De Sonhos - Busca Sonhos

Sonhos no banco de dados cadastrados para serem analisados ​​e interpretados - pesquise sonhos contendo os símbolos do seu sonho


Havia uma mesa grande,com uma toalha vermelha

Havia uma mesa grande,com uma toalha vermelha sobre ela. E tinha vários porcos com ternos do tom verde, e eles estavam sentados em volta da mesa. E sobre a mesa tinha um prato grande, e dentro do prato estava eu amarrada, e com uma maçã na boca, e junto no sonho, havia um outro eu, vestido de chefe de cozinha, e ele estava segurando uma faca bem afiada, e parecia que ele estava prestes a me servir para os porcos, que pareciam estar sedentos de fome.

   NO SONHO EU VI MEU IRMÃO

   NO SONHO EU VI MEU IRMÃO QUE JÁ MORREU NA CENA DO SONHO VI QUE ELE ESTAVA VESTIDO COM A MINHA CAMISA DE COR VERDE  NO SONHO ELE TIRAVA A CAMISA VERDE  E EU VI A CAMISA SUJA. NO SONHO DIZIA QUE MEU IRMÃO ISRAEL TAMBÉM TINHA VESTIDO ESSA MESMA CAMISA NA OUTRA CENA DO SONHO EU IA PEGAR A CAMISA QUE ESTAVA NA GAVETA DO GUARDA ROUPA MAS A MINHA IRMÃ DAYANE NÃO DEIXOU EU PEGAR A CAMISA DE COR VERDE EM OUTRA CENA DO SONHO EU ESTAVA INDO PARA LUGAR E EU VI NESSA CENA QUE ERA MATO E EU IA ANDANDO PELO CAMINHO E EU SENTIA MEDO AO ESTÁ NAQUELA CENA E DE REPENTE VINHA UNS CACHORROS ATRÁS DE MIM NESTA CENA DO MATO E DOS CACHORROS EU  PARA SE DEFENDER DO MEDO EU FALAVA DO SALMOS 91  EM EU CONSEGUIR VENCER O MEDO QUE EU TINHA DE ESTAR NO MATO AO CHEGAR EM OUTRO LUGAR AINDA OS CACHORROS ME ACONPANHAVA QUERENDO ME MORDER .

Olhei pela janela e vi no quintal

Olhei pela janela e vi no quintal um lobo grande, cinzento e peito branco, ele era lindo. Fiquei com receio dos meus gatos saírem para i quintal, eles estavam a tentar sair pela janela e eu a tentar impedir, não apareceu mais o lobo, mas apareceram cães, nos sítios mais incríveis, depois sonhei com uma criança pequenina que estava a tentar pôr na cadeirinha do carro, mas estava lá alguém a dificultar a situação. Depois estava a entrar em algum sítio, e um homem estava a tentar roubar 2 pássaros da gaiola, um era um piriquito verde, e o outro acho que era um canário, eu não deixei, o homem disse que me dava um estalo, eu disse para dar e ele disse que se calhar dava noutra altura. Vi os pais de uma criança que andava na minha cresce, a mãe tentou abraçar me, mas eu estava toda transpirada, porque tomo antidepressivos e não deixei, disse lhe que tinha que tomar banho primeiro. Não me lembro de mais nada, mas sei que sonhei com mais coisas que não consigo lembrar me

Sonhei que cheguei num lugar normal, uma

Sonhei que cheguei num lugar normal, uma casa humilde de alvenaria, com uma escada um pouco elevada e ampla sem vedação. Estacionei o carro e desci. De fronte a casa ao pé do sopé da escada estava uma mulher sentada e crianças a brincarem ambas do sexo feminino mas uma é que me seguia, Outras pessoas, jovens quase na minha faixa etária estavam no nível acima do sopé que dava acesso a varanda. Eu sentei com a mulher a conversar mas de repente dei falta dos meus chinelos cor de rosa claro. Perguntei mas ninguém deu me atenção. Então levantei subi a elevação da escada e quase no chão da varanda no murro largo que delimitava a escada senti-me numa posição em que o meu a planta doeu pé estava virada para cima. Subiu uma mulher e remexeu nas coisas que estava numa prateleira na parede interna da varanda, então derrubou sem querer um recipiente com água, a água escorreu chão e escada a baixo. Ela disse algo que não percebi, então olhei para a planta do meu pé e estava sujo. Daí desci para procurar chinelos. Fui em direção ao carro, a criança me seguiu e não falava nada, de repente vislumbres o carro com portas traseiras abertas e o par de chinelos estava lá, simetricamente deixadas no chão do carro e os chinelos tinham marca ligeira de sujidade onde aceita a planta dos pés, me espantei por ver a cor porque eu não tinha chinelos rosa-claro. Então pensei que só podiam ser da minha namorada apesar de serem do meu tamanho, e que teria sido a criança que me seguia que deixou lá. Então olhei para a criança para ter certeza que tinha sido ela. Mas quando olhei de volta, o meu carro não estava lá. No entanto um pouco mais afastado da casa tinha uma espécie de lixeira, com ramos e restos de árvore re em cortados e deixados lá ainda com folhas verdes. Aproximei e a criança seguia-me se falar nada. Chegado lá vi um caro que parece que tinha acidentado pás com a parte frontal removida. Examinei o carro e dentro do carro no banco de trás havia roupa bem dobrada. Perto daquele carro tive a sensação de que alguém podia ter morrido naquele carro. Mas nada de sangue ou vestígios de estragos, entretanto continuava com aquele mau pressentimento. Foi quando do nada apareceu outra criança negra do sexo feminino com carta arredondada e uma expressão séria e fechada. Quis testar se ela era um fantasma ou demônio então segurei a firme pelo braço junto da articulação do ombro e pronunciei Deus mas a minha voz não saia bem fiz força para libertar minha voz mas não saía por completo. Nesses esforço de querer invocar Deus enquanto a seguva firme e ela olhando fixamente para mim. Fui transportado para minha cama onde eu estava a dormir. E enquanto segurava ainda na criança misteriosa e mesmo que já sem vê-la sentia que a segurava invocando Deus mas minha voz mal saía. Então, então olhei para o lado e eu ví uma luz dourada num padrão lindo no ar e a luz materializou se em uma figura masculina imponente mas à medida que aproximava a figura transformou-se em uma bela moça de cor bronze e uma marca que lembra estrela mas de cor preta na bochecha Direita. Importa dizer que quando via luz deixei de sentir a criança. E na cama eu estava dentro da rede mosquiteira. Quando a linda moça chegou bem perto de mim ela queria dizer algo mas a voz dela não saiu e só sorria para mim. E De repente senti e vi que não estava sozinho na cama. Estava meu filho mais velho de 13 anos e uma outra moça que não vi o rosto mas sentia a do mesmo jeito que sentia meu filho, o rosto do meu filho vi nitidamente. Eu implicava a moça linda com a marca na bochecha para ficar comigo mas meu filho e a moça que está com ele na minha cama diziam que não era necessário ela ficar que eles os dois me virariam e a linda moça com gestos concordou e apontou que eu devia estar confiar neles. Daí eles tocaram me na barriga e com os dedos pressionaram minha barriga e eu senti arrepios, não medo só uma sensação que energia no meu corpo e acordei.

Eu estava sentado em uma cadeira sozinha

Eu estava sentado em uma cadeira sozinha numa sala velha com paredes verdes Aí chegou uma mulher que não conseguia ver o rosto dela, estava com um véu ( não era uma noiva, dava mais pra uma mulher de idade, magra ) e ficou um homen negro em pé atrás dela rezando ela, na hora que ele fez isso eu peguei a mão dessa mulher e comecei rezar também, eu sentir tudo arrepiando, ajoelhei no chão e parece que começou sair um monte de energia ruim dessa mulher, até ela desaparecer e ficar esse homem que tava rezando segurando no meu ombro

Eu estava em uma sala de aula,

Eu estava em uma sala de aula, onde tinha um casal e um homem. Eu abaixa minhas calças para trocar o absorvente na sala e esse homem se aproximava de mim e tentava me estuprar. A cena muda, então, para um parque à noite, com árvores e grama verde, o estuprador segurava meu braço e me levava para um lugar só que aparecia meu amigo e me salvava desse homem. Então, a gente continua andando pela calçada nesse local, e eu me apoiava nele, entrelaçava meu braço no dele só que aparecia uma menina de uns 10 anos e quando meu amigo avistava ela ele tirava o braço dele de mim e no sonho eu entendia o porquê dele fazer aquilo

Era de tarde, e eu estava em

Era de tarde, e eu estava em casa revendo algumas coisas do trabalho. Foi então que recebi uma mensagem, e era ele, meu ex- ficante e amor. Eu não quis responder. Porque estava chateada com tudo. Não demorou até ele mandar outras mensagens seguidas. Somente retornei com um oi. Ali começamos a conversar e ele dizia sentir saudade de falar comigo e pedia perdão por agir impulsivamente.Aos poucos minha visão começou a ficar turva, a partir daí, eu já m encontrava em outro lugar. Não podia distinguir onde era por conta da escuridão. Não via nada. Apenas ouvia risos.Isso me conturbava. Em momento de pânico senti ser puxada, era como se várias pessoas quisessem me arrastar.Em um momento tive a sensação de algo sair de dentro de mim. O ato se repetiu com frequência e eu apaguei. Assim que voltei, estava em outro lugar, nada estranho. Era a sua casa. Mas ali era como se eu fosse apenas um fantasma. Eu podia ver ele, mas ele não me via. Estava praticamente invisível ao seus olhos. Ao notar tanto, o seu jeito não era o mesmo. Parecia fora de si. Logo eu o vi entrar no carro e sair dali. Um sentimento ruim veio. Angústia. Pressentimento ruim. Desespero. Por fim, me lembro apenas de ter caído aos prantos. E quando a vista embaçada foi recuperada, eu estava em campo enorme. Grama bem verde e muitas flores brancas. Muitas flores mesmo. E mais adiante, lá estava o Guilherme. Estava sem a barba, não havia uma tatuagem sequer. E dessa vez, parecia conseguir me enxergar.

Sonhei que estávamos em um lugar com

Sonhei que estávamos em um lugar com muitas pessoas que eu não conheço, fizemos algo que de repente nos levou como num passe de mágica, para um lugar que parecia sobrenatural era um grande campo verde cheio de árvores grandes, carregadas de frutas e cada árvore tinha uma espécie de fruta diferente, e havia um homem lá ele transmitia uma calma e paz ele era diferente de nós, havia algo nele que nos fazia se sentir bem, estávamos perto e de frente para ele, ele estava com um lápis e um papel na mão e escrevia alguma coisa sobre nós e em meu coração eu disse: (ele errou porque ele errou!?) Mas, sem eu dizer nada em voz alta, ele escreveu e corrigiu.

Eu estava em uma espécie de lugar

Eu estava em uma espécie de lugar falso, era enorme, cheio de construções grandes e espaçosas e tinham alguns eventos culturais acontecendo por ali, uns de uma cultura tradicional meio holandesa eu acho, e outros de cultura tradicional asiática. O lugar em si parecia muito real, cheio de complexos comerciais/culturais com uma grande rua entre eles para as pessoas poderem andar e tudo mais, mas na minha cabeça eu sabia que era falso, e todos que estavam lá eram igualmente falsos, e eu os chamava de TOMs(se lê como "tuns"), tinham aqueles que pareciam pessoas normais, aqueles que estavam vestidos a caráter e fazendo aqueles eventos culturais (que envolvia roupas tradicionais, música no ambiente em que estavam (que era pela rua toda), tinha culinária e alguns rituais culturais(tipo, não era difícil achar os asiáticos com alguns lugares servindo chá no estilo tradicional)), e tinham alguns mais estranhos com fantasias de animais e uns caracterizados como médicos. E também, tinha um rio mais pro final da rua. Os TOMs, foram criados com a finalidade de me ajudar em algo, assim como todo o lugar. As construções se focavam na cor branca e cinza claro por fora, tinha uma ou outra de madeira avermelhada, mas era desbotado, tudo por lá era muito colorido, as vestes festivas, alguma decoração aqui e ali, o interior dos prédios, mas era tudo desbotado, até o céu era um azul desbotado. A única coisa que tinha mais vida e intensidade nas cores, era eu mesma, e ninguém mais por lá se vestia como eu. Eu usava roupas pretas, um preto bem escuro e forte, um coturno, calça meio larga, pra dentro do coturno, camisa preta e uma blusa grande por cima, também preta, com as mangas remangadas, e eu tava com o cabelo solto, que tinha um tom bem vivo de vermelho, minhas cores eram mais vivas do que qualquer outra cor por lá. Eu estava andando na rua, aparentemente eu tinha um lugar específico pra ir, eu fui andando pela rua e passando pelo pessoal comemorando ou apenas andando, até que eu cheguei perto do lugar que eu tinha que ir, um lugar um pouco mais afastado, tinha gente ainda, mas menos do que mais pra frente, e da onde eu tava dava pra ver o rio, aí quando eu olho pro rio, do outro lado dele eu vejo duas daquelas pessoas vestidas de animais, um, um guaxinim, e o outro eu não me lembro mas tenho quase certeza que tinha pelagem branca (e acho que tinha uma terceira pessoa também de guaxinim, que tinha o tamanho de uma criança). Eu não lembro direito o que aconteceu, mas um deles foi atingido por um deles e de alguma forma e caiu no rio, acho que foi o guaxinim menor que foi atingido pelo maior com dois socos, aparentemente desmaiou e caiu no rio, e o guaxinim maior ficou meio que brincando com o corpo, tirando ele da água, mechendo no ar, colocando na água de novo e por fim o jogou sobre seu ombro e saiu com o outro animal. Eu fiquei assustada com isso, a única coisa com uma sensação de perigo por ali, uma sensação pesada no meio da alegria das comemorações culturais e tudo mais. Eu tive a impressão de que me meteria em sérios problemas se falasse alguma coisa e revelasse que eu vi aquilo. Então, eu apenas entrei aonde tinha que entrar, passando por uma comemoração cultural asiática. O lugar era meio estranho...era uma espécie de complexo médico mas também uma casa, eu tava lá pra ver uma garota que morava lá, e aparentemente a gente estava namorando ou quase namorando. Ela era mais alta que eu (o que não é difícil já que eu no sonho era como eu na realidade ), cabelos curtos, tinha um corpo belo, pele clara e um sorriso gentil e belo, as roupas dela eram justas, e tinham tons mais suaves e claros, e tenho quase certeza que o nome dela era Penny. A gente passou por um consultório, depois por uma sala enorme e depois fomos para o quarto dela, no meio disso a gente tava tendo todo um diálogo meloso e cheio de cantadas que casais tem e essas coisas. Chegando lá, tinha mais uma garota, que se referia a si mesma como um garoto, era mais alta e mais magra, cabelos em um estilo masculino, ondulados, roupas largas em tons de verde musgo para a camisa e um marrom claro pra calça. Aparentemente essa garota é ex da minha namorada, e atualmente elas estão fazendo aquela brincadeira de escola de família, de chamar de mãe, filha, e por ai vai...elas não se chamavam dessa forma realmente, mas elas estavam nessa brincadeira, porque essa menina magra soltou uma frase assim: "Deve ser estranho saber que a seu neto é o ex da sua mulher" (ou seja, ainda tinha mais uma pessoa nesse meio sendo mãe dela e filha da minha namorada, mas essa pessoa eu não conheci). Bom, nesse meio tempo, Penny saiu do quarto, e a outra garota ficou falando um monte de coisas sobre ela, tipo, como ela ficaria bem vestida de professora, ou com grandes botas, no geral, tava na cara que ela ainda era afim ds Penny. Enquanto isso eu tava explorando a casa, ja que aparentemente era a minha primeira vez lá, e eu só estava concordando com o que ela dizia (kskskks), e as vezes complementando com algumas coisas (no geral só não me importava com o que ela tava falando e entrava na dela, sem deixar ela me irritar por ela estar falando daquela forma sobre a minha namorada ). Um tempo depois Penny voltou e a outra garota continuou falando algumas coisas, mas a Penny não levava nenhuma das coisas na maldade, só aceitava os elogios e no geral a atenção dela era pra mim. Eu ainda tava explorando o quarto, abrindo gavetas (não lembro de nada que vi nelas infelizmente ), e depois fui pra sala explorar também, lá tinha uma grande estante com coisas do pai dela, tipo, bebidas, a garota magra tinha me seguido na minha exploração, e nesse momento eu virei pra ela e falei toda animada "Caramba!! Tem Jack Daniel's??" e ela bem séria só falou "Não, só destilados."(na realidade, "destilados" se aplica a whisky e essas coisas, mas no sonho aparentemente tinha haver com uma única bebida de laranja) e daí eu olhei para as garrafas e só achei uma garrafa grande com um líquido transparente e algumas imagens de laranjas no rótulo junto com umas escritas com o nome da bebida e tudo mais. Eu fiquei meio desanimada e pensei que o pai dela era um cara sem graça (kskkskks), mas daí lá no fundo eu vi uma garrafa de Jhon Walker e pensei "Pelo menos o Jhon Walker salva...". Depois disso, encerrei minha exploração e voltamos pro quarto, e Penny pegou do armário e colocou um baita de um coturno preto envernizado com uma plataforma enorme, que era um contraste e tanto com sua paleta de cores mais suave. Ela perguntou como ela estava para a gente, e cara, ficou tão bem nela que eu e a garota ficamos totalmente sem reação. Depois de um tempo a gente conseguiu responder e falamos que ficou muito bom, e depois as três foram dar uma volta pra fora. A gente estava comentando sobre as comemorações asiáticas e tudo mais, até que a gente chegou perto de um estacionamento que estava em frente a uma grande calçada que dava acesso à uma das beiradas do rio, e nessa beirada vimos o guaxinim e o outro animal branco (o guaxinim pequeno não estava mais junto), o guaxinim estava apoiado no da pelagem branca, e eu comentei com as garotas a cena que eu vi antes de encontrar elas, aí as três ficaram assustadas, ainda mais com o fato de que ambos estavam vindo na nossa direção (eles começaram a correr do nada assim que nos viram), aí a gente começou a correr em direção a casa da Penny, e eles nos alcançaram quando a gente estava na porta, a gente entrou e assim que eles alcançaram, o guaxinim voltou a se apoiar no da pelagem branca, e vendo mais de perto, o guaxinim estava com duas manchas de sangue na roupa, uma no peito e outra um pouco abaixo e pro lado, na costela esquerda, eles passaram por nós e entraram na porta de vidro do consultório que a gente passava antes de entrar na sala da casa da Penny, e lá tinha um homem de jaleco branco, aparentemente um médico e aparentemente, o pai da Penny. Os homens tiraram as fantasias e revelaram que por baixo tinham uma roupa de policial. O que usava a pelagem branca estava com um colete a prova de balas e tinha uma arma com munição, e o guaxinim estava sem colete e sem arma, e bom, sangrando. Eu e as duas garotas ficaram olhando de fora da porta de vidro, e veio o seguinte diálogo: Pai da Penny: e então...como isso foi acontecer? Pelagem branca: sabe como é né...eu meio que atirei nele sem querer. O da pelagem branca ri despreocupado, como se isso fosse uma piada, e enquanto isso o guaxinim está com as mãos sobre os buracos de bala, com dor. Pelagem branca:Pode ajudar o meu amigo, doutor? Pai da Penny: vou fazer o que posso... Tanto o pai da Penny, eu e as meninas, percebemos que o da pelagem branca estava completamente fora de si, e baixou um clima muito tenso, já que ele poderia matar todos ali a qualquer momento, o único que não parecia nada preocupado com isso era o guaxinim, que exceto pela dor, estava completamente sério e tranquilo (ele parecia sério e tranquilo até de mais). O pai da Penny pediu para o guaxinim se aproximar, os dois foram pra perto de uma estante e o pai da Penny começou a ver o que poderia fazer sobre a situação do guaxinim, e enquanto isso o da pelagem branca encarava os dois profundamente com um sorriso tranquilo no rosto. Como a situação poderia escalonar, eu decidi fazer alguma coisa sobre o pelagem branca, me aproximei de fininho já que ele estava focado no guaxinim, e peguei e arma dele que estava em um coldre na sua cintura, ele não percebeu, e então eu voltei para as meninas. Comecei a manusear a arma com cuidado pra não atirar sem querer, já que ela estava engatilhada, e todo mundo padecia mais tranquila já que ele estava sem arma. Menos o guaxinim, que quando me viu com a arma na mão arregalou o olhar com uma expressão de raiva e estava pronto para alertar o da pelagem branca, e então, eu acordei.