Teu Sonho Logo

Sonhos Recentes contém garota

Menu botão

Os Sonhos Mais Vistos

Coleção De Sonhos - Busca Sonhos

Sonhos no banco de dados cadastrados para serem analisados ​​e interpretados - pesquise sonhos contendo os símbolos do seu sonho


Sonhei que flertava com uma garota. Ambos

Sonhei que flertava com uma garota. Ambos estavamos apaixonados. Estava na casa da minha vó. Ela me convida para ficarmos a sós, carrega uma garrafa de champagne. O sonho acaba

Sonhei que eu estava sentando vendo vídeo

Sonhei que eu estava sentando vendo vídeo na Internet e uma garota loira me pedia para assistir junto comigo o vídeo é eu aceitava, ela se sentou perto de mim para ver, porem quando eu fui olhar para ela ela estava olhando o chão com uma expressão abatida e pensativa, como se estivesse pensando em algo que estava lhe incomodando, eu perguntava para ela o que houve mas ela só revirou o olhar para mim, sorriu e disse que não era nada

Minha namorada sonhou que estava sendo torturada

Minha namorada sonhou que estava sendo torturada junto de 3 garotas, o torturador colocava o braço delas em um moedor de carne, ela acordou do sonho e dormiu dnv, e voltou para o mesmo sonho novamente

Sonhei que fui convidado a um encontro

Sonhei que fui convidado a um encontro com alguns colegas que estudaram comigo. A maioria eu não tive muita interação e dois deles eram garotas que já fui muito próximo, uma era uma garota que não ligava muito pra mim mas ficamos próximos e outra era uma ex amiga do qual brigamos por sermos prejudiciais um ao outro mesmo um amando o outro, e as vezes até demais. Quem me convidou era um antigo colega de faculdade que é muito otimista, embora não fosse meu amigo ele fez questão de eu estar presente no encontro. Tinha uma garota que também não foi minha amiga mas sempre foi gentil ao falar comigo. Andamos pelo arredores do Teatro Amazonas e começa a ficar um clima de chuva intensa e venta muito. Eu rápida peço para meu colega ir na frente e peço para a garota gentil que ela ande atrás dele segurando a mão dele e então todos entendem meu plano e quem segura minha mão era a garota que eu estava brigado. Seguimos assim até ficar em embaixo da avenida numa praça nova esperando o temporal passar. Encontramos uma lanchonete e começou uma briga perigosa entre gays e lésbicas e então deixei de grana no balcão e disse a todos para irmos embora. No tempo que andamos os outros falavam sobre a vida enquanto não se falavam e então quando subimos as escadas, a garota que estava brigada comigo segura meu braço repentinamente e estranhamente sinto a maciez de sua pele e ela parecia estar com frio. Quando olho pra ela, ela está vestida com uma macacaquinha branca simples, tal branco lembrava uma noiva e minhas, e eu estava com uma camisa, uma jaqueta e calça jeans preta, típico de metálico, e tal preto lembrava um noivo e meu colega me olhava e parecia dizer com os olhos "admitam logo que vocês querem se amar, todo mundo já sabe" . A garota continuou segurando meu braço como uma namorada confiando sua segurança em seu homem e estava cabisbaixa, e pergunto a ela "fiz tanta falta assim mesmo dizendo coisas terríveis?" E ela respondeu "você ainda faz muita falta..." sussurrando no meu ouvido. Apesar de ter acordado ao ouvir a resposta dela, senti seu hálito, sua tempestade, a maciez da pele, parecia que ela estava dormindo ao meu lado.

Sonhei que estava num lugar e de

Sonhei que estava num lugar e de repente alguem chega e me da a noticia de que uma garota morreu garota essa que ja cheguei de paquera la na vida real e antigamente tinhamos conversas frequentes mas agora nao mas e claro que agente nao chegou de namorar e a pessoa que dava essa noticia era um amigo meu mas eu de tanto nao gostar da noticia disse ao meu amigo que nao acreditava na noticia dada pois parecia que eu tinha falado com ela num dia como ontem Significado de sonhar com Sonhei que estava num lugar e de repente alguem chega e me da a noticia de que uma garota morreu garota essa que ja cheguei de paquera la na vida real e antigamente tinhamos conversas frequentes mas agora nao mas e claro que agente nao chegou de namorar e a pessoa que dava essa noticia era um amigo meu mas eu de tanto nao gostar da noticia disse ao meu amigo que nao acreditava na noticia dada pois parecia que eu tinha falado com ela num dia como ontem

Eu estava em uma espécie de lugar

Eu estava em uma espécie de lugar falso, era enorme, cheio de construções grandes e espaçosas e tinham alguns eventos culturais acontecendo por ali, uns de uma cultura tradicional meio holandesa eu acho, e outros de cultura tradicional asiática. O lugar em si parecia muito real, cheio de complexos comerciais/culturais com uma grande rua entre eles para as pessoas poderem andar e tudo mais, mas na minha cabeça eu sabia que era falso, e todos que estavam lá eram igualmente falsos, e eu os chamava de TOMs(se lê como "tuns"), tinham aqueles que pareciam pessoas normais, aqueles que estavam vestidos a caráter e fazendo aqueles eventos culturais (que envolvia roupas tradicionais, música no ambiente em que estavam (que era pela rua toda), tinha culinária e alguns rituais culturais(tipo, não era difícil achar os asiáticos com alguns lugares servindo chá no estilo tradicional)), e tinham alguns mais estranhos com fantasias de animais e uns caracterizados como médicos. E também, tinha um rio mais pro final da rua. Os TOMs, foram criados com a finalidade de me ajudar em algo, assim como todo o lugar. As construções se focavam na cor branca e cinza claro por fora, tinha uma ou outra de madeira avermelhada, mas era desbotado, tudo por lá era muito colorido, as vestes festivas, alguma decoração aqui e ali, o interior dos prédios, mas era tudo desbotado, até o céu era um azul desbotado. A única coisa que tinha mais vida e intensidade nas cores, era eu mesma, e ninguém mais por lá se vestia como eu. Eu usava roupas pretas, um preto bem escuro e forte, um coturno, calça meio larga, pra dentro do coturno, camisa preta e uma blusa grande por cima, também preta, com as mangas remangadas, e eu tava com o cabelo solto, que tinha um tom bem vivo de vermelho, minhas cores eram mais vivas do que qualquer outra cor por lá. Eu estava andando na rua, aparentemente eu tinha um lugar específico pra ir, eu fui andando pela rua e passando pelo pessoal comemorando ou apenas andando, até que eu cheguei perto do lugar que eu tinha que ir, um lugar um pouco mais afastado, tinha gente ainda, mas menos do que mais pra frente, e da onde eu tava dava pra ver o rio, aí quando eu olho pro rio, do outro lado dele eu vejo duas daquelas pessoas vestidas de animais, um, um guaxinim, e o outro eu não me lembro mas tenho quase certeza que tinha pelagem branca (e acho que tinha uma terceira pessoa também de guaxinim, que tinha o tamanho de uma criança). Eu não lembro direito o que aconteceu, mas um deles foi atingido por um deles e de alguma forma e caiu no rio, acho que foi o guaxinim menor que foi atingido pelo maior com dois socos, aparentemente desmaiou e caiu no rio, e o guaxinim maior ficou meio que brincando com o corpo, tirando ele da água, mechendo no ar, colocando na água de novo e por fim o jogou sobre seu ombro e saiu com o outro animal. Eu fiquei assustada com isso, a única coisa com uma sensação de perigo por ali, uma sensação pesada no meio da alegria das comemorações culturais e tudo mais. Eu tive a impressão de que me meteria em sérios problemas se falasse alguma coisa e revelasse que eu vi aquilo. Então, eu apenas entrei aonde tinha que entrar, passando por uma comemoração cultural asiática. O lugar era meio estranho...era uma espécie de complexo médico mas também uma casa, eu tava lá pra ver uma garota que morava lá, e aparentemente a gente estava namorando ou quase namorando. Ela era mais alta que eu (o que não é difícil já que eu no sonho era como eu na realidade ), cabelos curtos, tinha um corpo belo, pele clara e um sorriso gentil e belo, as roupas dela eram justas, e tinham tons mais suaves e claros, e tenho quase certeza que o nome dela era Penny. A gente passou por um consultório, depois por uma sala enorme e depois fomos para o quarto dela, no meio disso a gente tava tendo todo um diálogo meloso e cheio de cantadas que casais tem e essas coisas. Chegando lá, tinha mais uma garota, que se referia a si mesma como um garoto, era mais alta e mais magra, cabelos em um estilo masculino, ondulados, roupas largas em tons de verde musgo para a camisa e um marrom claro pra calça. Aparentemente essa garota é ex da minha namorada, e atualmente elas estão fazendo aquela brincadeira de escola de família, de chamar de mãe, filha, e por ai vai...elas não se chamavam dessa forma realmente, mas elas estavam nessa brincadeira, porque essa menina magra soltou uma frase assim: "Deve ser estranho saber que a seu neto é o ex da sua mulher" (ou seja, ainda tinha mais uma pessoa nesse meio sendo mãe dela e filha da minha namorada, mas essa pessoa eu não conheci). Bom, nesse meio tempo, Penny saiu do quarto, e a outra garota ficou falando um monte de coisas sobre ela, tipo, como ela ficaria bem vestida de professora, ou com grandes botas, no geral, tava na cara que ela ainda era afim ds Penny. Enquanto isso eu tava explorando a casa, ja que aparentemente era a minha primeira vez lá, e eu só estava concordando com o que ela dizia (kskskks), e as vezes complementando com algumas coisas (no geral só não me importava com o que ela tava falando e entrava na dela, sem deixar ela me irritar por ela estar falando daquela forma sobre a minha namorada ). Um tempo depois Penny voltou e a outra garota continuou falando algumas coisas, mas a Penny não levava nenhuma das coisas na maldade, só aceitava os elogios e no geral a atenção dela era pra mim. Eu ainda tava explorando o quarto, abrindo gavetas (não lembro de nada que vi nelas infelizmente ), e depois fui pra sala explorar também, lá tinha uma grande estante com coisas do pai dela, tipo, bebidas, a garota magra tinha me seguido na minha exploração, e nesse momento eu virei pra ela e falei toda animada "Caramba!! Tem Jack Daniel's??" e ela bem séria só falou "Não, só destilados."(na realidade, "destilados" se aplica a whisky e essas coisas, mas no sonho aparentemente tinha haver com uma única bebida de laranja) e daí eu olhei para as garrafas e só achei uma garrafa grande com um líquido transparente e algumas imagens de laranjas no rótulo junto com umas escritas com o nome da bebida e tudo mais. Eu fiquei meio desanimada e pensei que o pai dela era um cara sem graça (kskkskks), mas daí lá no fundo eu vi uma garrafa de Jhon Walker e pensei "Pelo menos o Jhon Walker salva...". Depois disso, encerrei minha exploração e voltamos pro quarto, e Penny pegou do armário e colocou um baita de um coturno preto envernizado com uma plataforma enorme, que era um contraste e tanto com sua paleta de cores mais suave. Ela perguntou como ela estava para a gente, e cara, ficou tão bem nela que eu e a garota ficamos totalmente sem reação. Depois de um tempo a gente conseguiu responder e falamos que ficou muito bom, e depois as três foram dar uma volta pra fora. A gente estava comentando sobre as comemorações asiáticas e tudo mais, até que a gente chegou perto de um estacionamento que estava em frente a uma grande calçada que dava acesso à uma das beiradas do rio, e nessa beirada vimos o guaxinim e o outro animal branco (o guaxinim pequeno não estava mais junto), o guaxinim estava apoiado no da pelagem branca, e eu comentei com as garotas a cena que eu vi antes de encontrar elas, aí as três ficaram assustadas, ainda mais com o fato de que ambos estavam vindo na nossa direção (eles começaram a correr do nada assim que nos viram), aí a gente começou a correr em direção a casa da Penny, e eles nos alcançaram quando a gente estava na porta, a gente entrou e assim que eles alcançaram, o guaxinim voltou a se apoiar no da pelagem branca, e vendo mais de perto, o guaxinim estava com duas manchas de sangue na roupa, uma no peito e outra um pouco abaixo e pro lado, na costela esquerda, eles passaram por nós e entraram na porta de vidro do consultório que a gente passava antes de entrar na sala da casa da Penny, e lá tinha um homem de jaleco branco, aparentemente um médico e aparentemente, o pai da Penny. Os homens tiraram as fantasias e revelaram que por baixo tinham uma roupa de policial. O que usava a pelagem branca estava com um colete a prova de balas e tinha uma arma com munição, e o guaxinim estava sem colete e sem arma, e bom, sangrando. Eu e as duas garotas ficaram olhando de fora da porta de vidro, e veio o seguinte diálogo: Pai da Penny: e então...como isso foi acontecer? Pelagem branca: sabe como é né...eu meio que atirei nele sem querer. O da pelagem branca ri despreocupado, como se isso fosse uma piada, e enquanto isso o guaxinim está com as mãos sobre os buracos de bala, com dor. Pelagem branca:Pode ajudar o meu amigo, doutor? Pai da Penny: vou fazer o que posso... Tanto o pai da Penny, eu e as meninas, percebemos que o da pelagem branca estava completamente fora de si, e baixou um clima muito tenso, já que ele poderia matar todos ali a qualquer momento, o único que não parecia nada preocupado com isso era o guaxinim, que exceto pela dor, estava completamente sério e tranquilo (ele parecia sério e tranquilo até de mais). O pai da Penny pediu para o guaxinim se aproximar, os dois foram pra perto de uma estante e o pai da Penny começou a ver o que poderia fazer sobre a situação do guaxinim, e enquanto isso o da pelagem branca encarava os dois profundamente com um sorriso tranquilo no rosto. Como a situação poderia escalonar, eu decidi fazer alguma coisa sobre o pelagem branca, me aproximei de fininho já que ele estava focado no guaxinim, e peguei e arma dele que estava em um coldre na sua cintura, ele não percebeu, e então eu voltei para as meninas. Comecei a manusear a arma com cuidado pra não atirar sem querer, já que ela estava engatilhada, e todo mundo padecia mais tranquila já que ele estava sem arma. Menos o guaxinim, que quando me viu com a arma na mão arregalou o olhar com uma expressão de raiva e estava pronto para alertar o da pelagem branca, e então, eu acordei.

Eu estava ajudando na produção de um

Eu estava ajudando na produção de um anúncio eleitoral de televisão, num espaço muito grande, um ginásio… no meio de uma grande floresta! de repente o cenário do meu sonho mudou… eu estava dentro da floresta com uma garota, que parecia ser uma nova amiga minha, mas não me lembro do rosto dela… ela tinha uma câmera, e gravávamos (eu e ela) um documentário sobre árvores centenárias que cresciam em espaços fechados, muito fechados, dentro de casas, quartos e hospitais abandonados dentro da floresta. pegamos várias mudas de árvores desses lugares e levamos para a vila de minha recém-amiga. essas árvores eram extremamente compridas, e não eram muito frondosas, tinham poucas folhas. na última parte do nosso documentário, entramos em um lugar super apertado, entramos pelas frestas… era úmido e escuro, e haviam duas árvores impressionantes, muito grandes! e o mais legal é que elas tinham olhos e boca… dialoamos com elas enquanto escalávamos constantemente para chegar ao topo delas. conversamos com as duas e chegamos a um acordo… uma delas se sacrificaria para sair dali. íamos leva-la para mostrar ao mundo, seria a estrela de nosso documentário! então, eu arranquei esta arvore enorme apenas com minhas mãos, carreguei ela por todo o caminho de volta, pulando sobre os galhos secos de arvores, e passei pelas frestas apertadíssimas com ela nos braços, enquanto pedia para minha amiga me esperar. minha amiga estava muito animada, entusiasmada para contar a vila, da nossa grande descoberta.

Só nessa semana, sonhei duas vezes seguidas

Só nessa semana, sonhei duas vezes seguidas que estava beijando alguém. Da primeira vez, eu parecia estar prestes a entrar em uma espécie de hotel ou algo do tipo. Eu tinha que dividir o quarto com uma pessoa que tivesse a mesma orientação sexual que a minha e acabei demorando horrores pra entrar, já que ninguém parecia ter a mesma orientação sexual que eu (no sonho eu era moonsexual (??). Tinha um bocado de orientação sexual "estranha" nesse sonho, que até onde eu saiba não existem na realidade). Acho que fiquei uns 15 minutos só vendo um bocado de duplas entrarem no hotel enquanto esperava encontrar alguém da mesma orientação sexual que minha pessoa, mas depois de um tempo acabei achando uma menina que tava lá esse tempo todo e nenhuma das duas sabiam que tinham a mesma orientação sexual (ela me lembrava muito uma menina que eu tinha visto em um vídeo). Entramos como colegas de quarto no hotel e nosso quarto parecia MUITO confortável. A garota era muito linda afinal, e acabei ficando com uma vontade imensa de beijá-la assim como ela também parecia ter ficado, e relação a mim. Ficamos flertando por um tempo, e acho eu que não demoraria muito tempo para nos beijarmos, porém minha mãe acabou me chamando pra acordar, nessa parte do sonho e acabei não conseguindo beijá-la (acordei puta). No segundo sonho, eu estava em um lugar todo azul e vazio, não parecia ter nada nem ninguém lá além de um garoto (no sonho eu também parecia ser um menino). Ele queria muito me beijar mas eu parecia meio receiosa. No final acabei decidindo por beijá-lo, mas por menor sentido que faça, eu cismei que queria colocar uma música antes. Abri uma playlist minha no meu celular (que por sinal foi uma playlist que realmente criei na realidade) e comecei procurar por uma música que achasse adequada para o momento. Sem querer acabei clicando em "girls" da girl in red, e assim que começou a tocar, ele veio com um desespero imenso pra cima de mim e me beijou. Acordei nessa parte. observação: me descobri bissexual a alguns meses e se eu não me engano, o primeiro sonho ocorreu literalmente na véspera do dia que meus pais me "arrancaram" do armário. Já o segundo, na manhã do dia em que me "arrancaram" (eles não me aceitaram e causaram a maior briga por conta da minha bissexualidade).

Esses dias pedi para o mundo espiritual

Esses dias pedi para o mundo espiritual me dá uma sinal, passando 2 dias tive um sonho difícil de entender: eu estava entrando em uma espécie de vila ou bairro, onde tudo era relacionado a umbanda/candomblé. Ao entre observei diversas com velas acesas e pessoas fazendo macumba dentro delas, quis sair do lugar porém ao me deparar com as saídas tinham crânios escuros no meio das portas e uma moça disse que eu não poderia passar por essas saídas bloqueadas. Ao lado de uma tinha uma garota que tinha acabado de bloquear uma saída com crânio, ela me disse que passar passar eu teria que oferecer uma oferenda mínima de 8reas porém não tinha o valor e deixei meus anéis e cordões como oferenda , ao passar e finalmente chegar a saída tinha mais um crânio, porém não tinha mas nada a oferecer, resolver passar mesmo assim é quando eu atravessei duas moças me seguraram e com uma faca cortaram a palma das minhas mão onde escorei sangue, entre de volta ao lugar é incorporei uma imagem semelhante a Jesus Cristo com os braços abertos e as mão sangrando, ao lado avistei uma saída e consegui sair do lugar porém tinha passado muito tempo.

- eu estava em uma fila enorme,

- eu estava em uma fila enorme, no celular, quando uma garota passou por mim, me observando de perto, e acenou para mim e eu disse "oi" rápido e de maneira seca. Era a primeira garota que realmente gostou de mim. E corri atrás dela pouco depois, mas acabei perdendo ela de vista. - de repente eu estava dentro de um lugar, o que parecia ser uma quadra, de parte coberta. Estava tendo o que eu diria ser uma reunião. Uma garota estava com problemas, logo eu me dispus rapidamente a ajudá-la, e ela me agradeceu pela ajuda. Fiquei prestativo quase todo o momento, ao ponto de que nem prestei atenção no que estava acontecendo ao redor. - de repente eu estava dentro de um carro. Tinham pessoas comigo na parte de trás. Do nada o carro começou a ter sinais de falha e a andar sozinho por aí. Saímos do carro o mais rápido possível e a segui-lo para não perdê-lo de vista. Acabamos perdendo o carro de vista. - de repente eu estava em uma igreja. Na verdade, eu estava na igreja em que eu frequentava. Mas a sala principal (a sala sacramental) era muito diferente e espaçosa. Haviam pessoas nela, sentadas em suas respectivas fileiras. Ainda não havia começado a reunião. Eu entrei e sentei na fileira que estivesse desocupada, e comecei a mexer no celular até o momento em que uma dessas pessoas se aproximaram de mim e começaram a conversar comigo de forma invasiva. Eu não queria conversar com ela, mas eu não queria ser rude. Tentei evitá-la olhando no meu celular, mas ela começou a olhar também e a julgar o que eu estava vendo. Eu não estava gostando nada do que ele estava fazendo.